domingo, 4 de janeiro de 2015

CEARENSE VENCE OLIMPÍADA NACIONAL DE REDAÇÃO

É com muito orgulho que o Blog da Professora Isabel Aguiar inicia 2015 trazendo na íntegra o texto de Iury Vasconcelos, aluno de escola pública, que venceu a Olimpíada Nacional de Redação.
Mas você pode perguntar: "professora Isabel, por que o blog está dando ênfase a uma redação tendo em vista que é um blog de História?"

Bom, antes de ser um blog de História, somos um blog de informação e de valorização cultural. O Iury não só ganhou o prêmio de melhor redação como também abordou na redação um tema polêmico e que merece nossa atenção: O PATRIMÔNIO HISTÓRICO.

Estudante Iury Vasconcelos passou por diversas etapas até chegar à grande final (FOTO: Arquivo pessoal)
Foto do arquivo pessoa de Iury Vasconcelos

Na cidade de Fortaleza, onde moro, existe a cultura do derruba. Aqui nossos governantes e a própria população, não tem amor e respeito a nossa história patrimonial e a nossa memória. 

Sendo assim, uma praça da cidade, Praça Portugal, que já existe desde 1947 e que agora, em 2015, será demolida para satisfazer interesses da prefeitura da cidade. Interesses estes que não vão de encontro com a nossa história. 

O estudante, elaborou um texto digno de ser lido e refletido sobre o tema.

Parabéns Iury Vasconcelos por sua iniciativa. Desejo mais sucesso!!

Segue a redação na íntegra.


Que rufem os tambores, não os tratores!

Enquanto na antiga Grécia as praças eram lugares onde as grandes decisões eram tomadas – as famosas ágoras –, em Fortaleza é em gabinetes fechados que se decide o destino da Praça Portugal, cartão-postal de nossa cidade.

Praça Portugal de Fortaleza
A substituição da praça por um cruzamento está previsto do Plano de Ações Imediatas de Transporte e Trânsito (Paitt), apresentado pela prefeitura de Fortaleza. Já na primeira intervenção feita em nome do Paitt, mais de duzentas árvores dos canteiros centrais das avenidas Dom Luiz e Santos Dumont foram removidas, sob o argumento de que a eliminação dos canteiros irá melhorar a fluidez do tráfego naquela região. A cidade, que já assistiu a alguns descasos relacionados à preservação do patrimônio histórico e cultural, entre eles a paulatina substituição dos casarões da Avenida Santos Dumont por modernos prédios comerciais, inquieta-se.

Agora é a vez de a Praça Portugal deixar de existir. Na tentativa de impedir que isso aconteça, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) entrou com um pedido de tombamento da praça como patrimônio municipal, o qual foi prontamente negado pelo Conselho Municipal de Proteção ao Patrimônio Histórico e Cultural (Comphic), numa clara demonstração de contradição às suas principais funções: preservação e manutenção da cultura e da história da cidade. O projeto também é criticado pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB).

Um olhar da Praça Portugal pela janela (FOTO: Adriano Macedo)Um olhar da Praça Portugal pela janela (FOTO: Adriano Macedo)
Contudo, as pessoas que veem a praça apenas como uma rotatória concordam que ela deixe de existir para dar lugar a um cruzamento. Modelos de rotatórias semelhantes à da Praça Portugal são facilmente encontrados em países do Primeiro Mundo. Podemos citar o Arco do Triunfo, em Paris, e a Praça de Tetuan, em Barcelona, o que torna inaceitável a tese de que a Praça Portugal é um impasse ao trânsito de Fortaleza.

Sabemos que enfrentar o trânsito em nossa cidade é um verdadeiro teste de paciência. Em horário de pico, fileiras de carros, motos e transportes coletivos se formam pelas principais ruas da cidade, e chegar ao destino desejado virou um desafio. Não acredito que sacrificar a praça seja a única forma de solucionar esse problema, mesmo porque a construção de túneis também foi cogitada e, certamente, evitaria toda essa polêmica. Para o ambientalista José Sales, não é a praça que influencia o trânsito, mas uma série de fatores, como a falta de fiscalização e os estacionamentos irregulares.

O juiz Manoel de Jesus da Silva Rosa concedeu liminar impedindo que a prefeitura inicie as intervenções na Praça Portugal; entretanto, o prefeito já anunciou o início das obras para a primeira quinzena de setembro. É preocupante perceber que ainda há grandes chances de esse projeto seguir adiante.

Demolir praças, derrubar árvores… será mesmo a solução? Assim como o pedestre deve vir antes do carro e o transporte público antes do privado, os espaços públicos devem vir antes de obras de trânsito. Sou contra intervenções que atropelem a memória de uma cidade em nome do moderno, do novo. Dessa forma, precisamos exigir uma ampla discussão a respeito das ações que estão sendo implementadas na atual administração municipal.


Assim, pensar, discutir e debater o futuro da cidade é necessário. Não podemos permitir que gestores temporários, em nome da mobilidade urbana e do “desenvolvimento”, apaguem a memória da cidade. Não podemos fechar os olhos ao que acontece ao nosso redor sob pena de, na calada da noite, sermos acordados pelo “rufar” dos tratores a derrubar a praça e de nos lembrar que, em um dia não muito distante, já amanhecemos sem as árvores. Que a sexagenária Praça Portugal possa permanecer no coração do bairro Aldeota, com sua simbologia, sua beleza, sua história.

Nenhum comentário:

Postar um comentário