segunda-feira, 4 de março de 2019

IMAGENS E VÍDEOS PARA AJUDAR NA APRENDIZAGEM




A maior parte das informações que absorvemos vem pelo sentido da visão. Seja observando um objeto ou lendo um texto, via de regra, são os olhos que nos conectam ao mundo exterior e nos permitem assimilar novos conhecimentos. Por isso, os estímulos visuais são tão importantes na sala de aula, eles não apenas despertam o interesse e a curiosidade dos alunos, mas podem ajudar os estudantes a reterem melhor o conteúdo.


Quando enxergamos o que estamos aprendendo, nos tornamos mais ativos no processo de ensino e, quanto mais participamos, mais fácil será ativar a memória posteriormente. Mesmo sabendo disso, muitos professores seguem adotando o modelo mais tradicional de aula, no qual ele profere uma palestra e os pupilos escutam. Embora essa exposição de conteúdos seja essencial para transmitir o conhecimento, ela pode se beneficiar muito de ferramentas visuais.


O primeiro passo é lembrar-se de sempre levar a apresentação visual em consideração durante o planejamento das aulas. Além de contar com estímulos visuais como imagens, vídeos, mapas, ilustrações ou gráficos, é importante repetir a apresentação desses estímulos, pois apenas sendo exposto diversas vezes ao mesmo conteúdo é que nosso cérebro consegue memorizar a informação. O objetivo é que o estudante consiga formar uma imagem do assunto, uma abstração dos conceitos estudados que o ajude a ter mais de uma perspectiva sobre o mesmo tópico.


Retenção de informações

A chave do aprendizado é a retenção de informações, o que se consegue por meio de algumas práticas simples: a visualização, a repetição e a retomada. A retomada de dados é o que se costuma trabalhar em testes e provas, quando o aluno deve recuperar o que guardou na memória. Mas a retomada pode ocorrer regularmente durante as aulas, com exercícios que forcem o estudante a vasculhar seus arquivos mentais. 

Cada vez que o cérebro “acessa” uma informação, ela se fixa mais ao repertório de informações em uso da mente e corre menos risco de ser esquecida

Isso supõe uma mudança de foco na sala de aula: não se deve pensar apenas no que o professor pode ensinar, mas também, e principalmente, no que o aluno consegue aprender.


90% DAS INFORMAÇÕES CHEGAM AO CÉREBRO PELA VISÃO


Resultado de imagem para 90% das informações chegam ao cerebro pela visao

Considerando-se que 90% das informações que chegam ao cérebro o fazem pela visão e que o cérebro leva apenas um décimo de segundo para assimilar uma imagem, o ensino visual tem um enorme potencial na mão dos professores. Para facilitar a retenção do lado dos estudantes, podemos ter uma lista de lembretes rápidos e precisos para auxiliar os professores na tarefa de dar um aspecto visual a suas aulas.

As principais dicas para lidar com estímulos visuais

Imagens coloridas retém a atenção humana por mais de 2 segundos, enquanto imagens em preto e branco nos prendem por apenas dois terços de um segundo.
– Imagens facilitam a organização de ideias complexas.
– Imagens com pessoas, lugares e objetos (ao invés de linhas ou formas abstratas) se comunicam melhor com nossa mente.
– Imagens que apresentem informações já conhecidas ao lado de informações novas facilitam as conexões cerebrais dos alunos.
– As imagens devem ser claras: figuras desfocadas ou com pouca definição causam desagrado e afastam o estudante.

Em resumo, o uso de estímulos visuais busca atrair e manter a atenção dos alunos para que o conhecimento seja bem sedimentado sem riscos de esquecimentos. Se você costuma usar outras técnicas na sua instituição, compartilhe conosco.


O USO DE VÍDEOS NA APRENDIZAGEM

Resultado de imagem para videos na aprendizagem

Já faz algum tempo que a palavra feedback está em nosso vocabulário. Expressão comum nas empresas, especialmente nas multinacionais, feedback nada mais é do que o ato de dar retorno a alguém sobre algo. Em tempos de educação a distância, modalidade marcada pela tecnologia, o feedback também pode ser encontrado nas salas de aula online. 

Em um artigo recente no site Edudemic, Scott Hayden, especialista na área, disse que o vídeo é a melhor forma de dar e receber feedback dos alunos. E, é, claro, explicou o porquê.

Sua justificativa é simples: familiaridade. Em tempos de YouTube, não é exagero dizer que os jovens estão acostumados a consumir informação a partir desse tipo de mídia e que, por vezes, até preferem o vídeo a um livro. Além disso, os vídeos proporcionam um tipo de experiência que é cheia de detalhes, porque tem imagem em movimento e som, e, mais do que isso, que está totalmente de acordo com os hábitos dos estudantes.

Na opinião de Hayden, o feedback por vídeo dá ao professor a chance de avaliar outras características do aluno, que vão além do conhecimento adquirido. Para fazer um vídeo, eles precisam colocar em prática seus conhecimentos de tecnologia, de ferramentas disponíveis e ainda mostrar suas habilidades comunicacionais. Do lado do professor, por vídeo, é possível dar um retorno mais pessoal, direcionado àquele aluno em específico.

 Benefícios dos vídeos para os professores:

Resultado de imagem para videos na aprendizagem

– Com o vídeo, se faz um uso mais eficiente do tempo de feedback, uma vez que é possível dar até exemplos visuais para o aluno, detalhando as respostas aos seus questionamentos;
– Com a ajuda da computação na nuvem, é possível compartilhar o vídeo com facilidade;
– Até o YouTube pode ser usado: basta ajustar as configurações para tornar o canal privado para que ninguém, além do aluno, possa acessá-lo;
– Uma vez enviado pelo estudante, o professor pode acessar o vídeo de qualquer dispositivo.

Benefícios dos vídeos para os estudantes:

– O vídeo pode servir para consultas e revisões em tempos de avaliações, uma vez que é um arquivo que pode ficar guardado no computador ou na nuvem e ser acessado de qualquer dispositivo;
– Os alunos podem fazer uma pausa no feedback, e fazer alterações e melhorias em seu próprio vídeo antes de enviá-lo;
– Para o estudante, o feedback é mais divertido, detalhado e pessoal.

Um outro texto publicado no mesmo site, mas de autoria de Katie Lepi, traz um infográfico sobre o impacto do vídeo na educação. Dentre as várias transformações, a autora destaca alguns números e conclusões que corroboram com a teoria de Hayden de que o vídeo veio para ficar na educação, e não só a distância. E, mais do que isso, se tornou uma ferramenta educacional que vai muito além do passar um filme na sala de aula. O infográfico é de autoria da Cisco, importante empresa de tecnologia, e reflete o uso do vídeo na educação nos Estados Unidos.

– O vídeo está se tornando o canal de comunicação preferido;
– O vídeo ajuda os alunos a se tornarem ativamente envolvidos em sua aprendizagem;
– O vídeo ajuda a maximizar os recursos da escola;
– Ele aumenta o engajamento e entusiasmo entre os alunos;
– O vídeo pode ajudar a facilitar a colaboração;
– O vídeo é apropriado para vários estilos de aprendizagem;
– Ele ajuda a melhorar os resultados dos estudos;
– 68% dos professores acreditam que o conteúdo de vídeo ajuda a estimular discussões;
– 66% acreditam que ajuda a aumentar a motivação do estudante;
– 55% acreditam que ele ajuda os professores a serem mais criativos;
– 62% acreditam que ele ajuda os professores a serem mais eficazes;
– 91% dos estudantes Universidade de Massachusetts sentiu que o uso de vídeo-palestra ajudou no aprendizado do material do curso;
– 44% dos estudantes do ensino médio pontuaram mais alto em seus exames quando o material foi apresentado em formato de vídeo.

Grande parte desses números e conclusões dizem respeito à realidade norte-americana, mas é preciso lembrar que, em tempos de internet, alunos, e ainda mais os do ensino a distância, são cada vez mais parecidos. E que, no Brasil, o YouTube já é campeão de audiência há anos. Se você ainda não experimentou o vídeo na sua instituição, a hora é agora. Se você já aposta no vídeo ou em outro tipo de ferramenta que acredita ser mais eficiente para fazer feedback com alunos e professores, compartilhe conosco.




Fonte: desafiosdaeducacao.com.br / Guia do Estudante

Animação: os governantes de cada região da Europa desde 4000 a.C


A história da Europa, como outros continentes, ao longo dos últimos 2.400 anos pertence a um âmbito geopolítico fascinante e bastante multifacetado, com o equilíbrio de poderes mudando ao longo de períodos de tempo pequenos e grandes. E enquanto esse escopo dinâmico pode ser (até certo ponto) representado objetivamente através das mudanças territoriais dos numerosos impérios e reinos, o lado político da “equação” histórica foi simbolicamente conquistado sob o nome dos governantes, líderes e generais dessas nações. A seguinte linha do tempo animada, criada pela YouTuber Cottereau, apresenta apropriadamente uma série de eventos fascinantes, espelhados pela extensão geográfica em constante mudança, ao mesmo tempo em que está associada a seus poderosos governantes, que vão desde os antigos imperadores romanos até os déspotas iluminados do século 18.




Agora, se passarmos pelo vídeo, podemos compreender facilmente como nenhum poder europeu chegou nem perto da extensão territorial governada pelos imperadores romanos. Para esse fim, de um reino remanescente a uma república próspera para um império mundial dominante, e finalmente de volta ao esquecimento – o âmbito romano incorpora o ciclo da história em toda a sua glória, inovações e desgraças. De fato, a história romana mostra apropriadamente a capacidade multifacetada de determinados seres humanos, variando de coragem à ingenuidade, da crueldade à brutalidade. Evidentemente, além das palavras escritas, um dos parâmetros que sugerem tais triunfos e tribulações relaciona-se às terras e territórios conquistados e administrados pelos romanos. Mas, mais uma vez, esse âmbito objetivo sempre teve a “cobertura” de um verniz político na realidade – e só se podia imaginar a magnitude do poder exercido pelos imperadores e líderes no estágio de ápice do Império Romano.

Por outro lado, alguns séculos após a passagem dos romanos, a história foi testemunha dos conflitos culturais e da confluência dos vários estados europeus. O final do século VIII dC trouxe os engenhosos mouros islâmicos para a Península Ibérica (compreendendo a Espanha e Portugal modernos), enquanto as terras da Europa Ocidental estavam sob o domínio dos carolíngios, que, por ocasião de Carlos Magno, já haviam começado a defender sua religião cristã. As terras da Europa central e oriental estavam sob a influência de várias tribos nativas pagãs e nômades estéreis distantes, enquanto os Bálcãs, Grécia e Anatólia (juntamente com algumas partes da Itália) ainda mantinham o legado romano e a religião ortodoxa oriental, na forma do Império Bizantino (Romano Oriental) – sob o reinado do imperador romano. E curiosamente, paralelamente a este período de tempo, na Rússia europeia, podemos ver a síntese dos escandinavos e do povo eslavo localizado, resultando em um fascinante domínio político cujos governantes iam desde senhores da guerra a príncipes mercantes posteriores.




Dados tantos fatores variantes e complexos, deve-se notar que, juntamente com a influência política e a autoridade real, o “poder” dos estados europeus também dependia de sua população e recursos. Felizmente, para os aficionados da história, Cottereau também havia anteriormente feito uma animação temporal (apresentada acima) que mostra apropriadamente as mudanças territoriais dos vários reinos europeus junto com sua população.

***Traduzido a partir do post original do Realm of History – Acesso em 19 de outubro de 2018.
Fonte: /rainhastragicas.com /  Youtube.com

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

INFOGRÁFICOS: UMA FORMA PRÁTICA DE ESTUDAR






O acúmulo de informações aumenta a cada dia. As redes sociais, livros didáticos, blogs, sites, canais no youtube ... tudo isso trás informações ao estudante. Porém , o cérebro fica sobrecarregado e isso pode dificultar a aprendizagem ou torná-la cansativa.

Os infográficos tornam-se alternativas eficazes de transmitir informação complexa e conduzir os leitores a uma melhor compreensão e retenção de conhecimento.

Este recurso trata-se de uma escolha muito acertada, pois com ele não há o risco de criar uma leitura maçante nem o uso de imagens vazias, que acabam prejudicando a aprendizagem. O infográfico  ajuda a melhoria da compreensão de informações e conceitos além de reforçar a capacidade de pensar criticamente, desenvolver e organizar ideias. Agora vamos entender por que ele é um grande trunfo na aprendizagem.


O que é um infográfico?




  • Um infográfico é uma representação de informações em um formato gráfico, de maneira a projetar dados de uma forma facilmente entendível. As pessoas utilizam infográficos para comunicar rapidamente uma mensagem, para simplificar a apresentação de grandes quantidades de dados, para melhor visualizar padrões de dados e também para melhorar a aprendizagem. Ele costuma chamar atenção do leitor e o ajuda a compreender assuntos aparentemente complexos, por serem apresentados de forma simples e direta.


  • As pessoas se adaptam muito rapidamente ao uso deste recurso, pois eles fazem parte do nosso cotidiano desde sempre. Sinais de trânsito, mapas, placas, sinais meteorológicos, partituras etc., são apenas alguns exemplos de como os infográficos já são parte essencial da vida de todos nós.


  • Segundo a kissmetrics ( uma empresa de marketing), os infográficos são 30 vezes mais propensos a serem lidos do que artigos de texto. Isso aumenta as chances de que sua mensagem seja vista. Além disso, 90% das informações transmitidas para o cérebro são visuais, sendo elas processados 60 mil vezes mais rápido do que a leitura do texto.


Por que é vantajoso usar infográficos na 

educação?

  • No tópico anterior apresentamos um dado da Kissmetric sobre como o nosso cérebro processa mais rapidamente informações visuais do que textuais, não é mesmo? Então vamos aprofundar um pouco o assunto, apresentando algumas teorias cognitivas, que podem ser usadas para melhorar a aprendizagem, disponível na UFRG.


  • Em todo o texto citado, fica evidente que o uso de imagens e textos juntos melhoram a aprendizagem. Ainda citando o texto: “que o principal objetivo de um infográfico é ajudar a cognição do leitor – levando em consideração a capacidade e limites da memória humana –, ou seja, ele deve ser elaborado para que haja uma redução de sua carga cognitiva no entendimento da informação.”


  • Indo além do estudo da UFRG, a Neoman fez um estudo muito interessante sobre por que nós adoramos este recurso, criando o “infográfico do infográfico” (em inglês). Este estudo é embasado em diversos artigos científicos e bastante sério, apesar de ser posto de forma lúdica. Ele traz mais algumas informações interessantes que corroboram a grande utilidade deste recurso multimídia no ensino seja ele presencial ou a distância:


Infográficos são mais fáceis de lembrar


Infográfico: história do anime



As pessoas costumam lembrar-se de:




Infográficos são mais persuasivos

Um estudo realizado na Escola de Negócios Wharton constatou que:

  • 50% da audiência foi persuadida pela apresentação apenas verbal;
  • 67% da audiência foi persuadida por apresentações verbais que usavam recursos visuais.

Um estudo descobriu que o entendimento de rótulos de remédios foi de:
  • 70% de entendimento para rótulos que continham apenas texto.
  • 95% de entendimento para rótulos que continham imagens e textos.

Além destes dados, há outros muito interessantes no “infográfico do infográfico”. Eles comprovam como o uso de infográficos pode ser um grande aliado não apenas nos cursos de ensino- aprendizagem, mas em toda e qualquer ação educativa. Por isso, lembre-se que a infografia é uma maneira de fazer o cérebro trabalhar a favor do aluno.




As vantagens do infográfico para a leitura

A letra é um símbolo. Para se ler um texto, primeiro o cérebro age como um decodificador para entender esses símbolos, depois vai associá-los com às imagens e aos formatos armazenados na memória. 

Em seguida, ele precisa entender como colocar tudo isso junto para formar as palavras, depois as palavras montarão as sentenças e os parágrafos.  Esse processo acontece em menos de um segundo, o esforço do cérebro para entender as imagens é muito mais rápido. Ele funciona como um decodificador. 

O cérebro processa essa imagem de uma só vez, já no texto linear a interpretação é mais lenta, o que é mais cansativo.
Utilizando o infográfico, você torna a absorção de informações bem mais rápida. 

A diferença básica está na forma como o cérebro processa a imagem e, consequentemente, sua conexão com essa informação.


No Youtube, você encontra apresentações do TED Ideas Worth Spreading, com David McCandless que diz: - "Tem algo quase mágico numa informação visual. Tem menos esforço, menos dor. Aí a informação é jogada em você. 

Quando você está lendo um texto denso e aparece um belo gráfico, automaticamente sente um alívio. É como sair limpo de uma selva."


Em 1982, o USA TODAY revolucionou a comunicação circulando o primeiro jornal com imagens coloridas, fotos, infográficos, saindo totalmente do padrão das publicações da época. Na ocasião a revolução foi muito criticada.


Atualmente, cada vez mais as pessoas preferem ver imagens, principalmente, numa apresentação corporativa. Por isso é fundamental trazer o atrativo para a leitura.


O Facebook usou o seu formato de registro, o formulário S1, para Registration Statement na Securites and Exchange Commission um infográfico. Veja:





As ferramentas multimídias ideais para seu 

infográfico




A geração dos milênios – a Geração Y – que são os nativos digitais – estimulam a maior parte das mudanças na comunicação moderna, porque rejeitam a informação apresentada de forma linear, como, por exemplo, um material apresentado num Powerpoint sem nenhuma interação, imagens, gráficos. Essa geração quer estar no comando do processo de navegação, além de primar por uma comunicação transparente e mais dinâmica.

Para conquistá-los é fundamental utilizar recursos com imagens, ser honesto, porque não vai adiantar trabalhar com informações que não sejam verdadeiras, o que é um requisito básico na criação de um infográfico.

Hoje a comunicação digital eficiente está à disposição. Você pode usar multimídia para contar suas histórias e as ferramentas são várias: animação, vídeo interativo, áudio e infográficos. Tornando a leitura mais confortável.

O infográfico combina informação, que são os dados, com imagens possibilitando a aprendizagem visual. Esse formato permite a apresentação de informações complexas de uma maneira mais fácil de ser entendida, ou seja, para ser interpretada.




Os 4 estilos de aprendizagem – Qual é o seu?

Ao longo da sua vida, já deve ter visto vários infográficos, não é mesmo? A sua utilização traz muitos benefícios para a aprendizagem:

  • Facilita a compreensão da informação, das ideias e conceitos.
  • Incentiva o pensamento crítico e de ideias de forma organizada.
  • Orienta a absorção de conhecimento.
  • Aumenta a retenção e absorção da informação.

Também é preciso considerar a forma como as pessoas aprendem. Com base no modelo Vark, as pessoas utilizam quatro estilos primários para isso:

  • VISUAL - 60% - Vendo formas gráficas, gráficos e imagens.
  • AUDITIVO - 30% - Ouvindo os que as pessoas dizem.
  • SINESTÉSICO -  5% - Aprendem por aquilo que vivenciam.
  • Leitura/escrita - 5% - Aprendem lendo ou escrevendo.

De acordo com uma pesquisa da Universidade Michigan que teve como foco o aprendizado, a população é:

  • 65% é visual;
  • 30% é auditiva;
  • 5% é sinestésica.

Com base nesses dados, faz sentido utilizar os infográficos para passar os conteúdos. E, além disso, elaborar um treinamento usando mais de um estilo fará com que a aprendizagem seja ainda mais eficiente, porque quanto mais as pessoas associarem sentidos na aprendizagem, mais aumentará a retenção de informação. Exemplos disso são os vídeos com textos e/ou com áudio.

Vivemos uma revolução na forma de 

comunicação. 




  • Num cálculo sobre a era da revolução digital, feito pelo Dr. Martin Hilbert, do time da Universidade da Califórnia do Sul, nos EUA, todo dia, em média, uma pessoa produz o equivalente a seis páginas de um jornal. Há 24 anos eram duas páginas e meia. Um aumento de 200% a cada 4 anos. Há 100 anos as pessoas eram sortudas se tivessem lido 50 livros a sua vida inteira. Hoje, as crianças já assistiram mais de 100 filmes com pouca experiência de vida. As informações são recebidas de todos os lados e de diversas formas.


Temos muitos problemas de informação na nossa sociedade.  Se pudessemos elencar um como o maior problema da sociedade, acreditamos que seria o ruído na comunicação.

A sobrecarga de informações também é enorme. Somos atacados por informação por todos os lados. (redes sociais, whatsup, telefone, computadores, TV, livros – e em geral, tudo ao mesmo tempo).

Cada vez temos mais desconfiança sobre as informações. Vemos plágio sendo usado corriqueiramente e pior, naturamelmente como se fosse correto.

Falta muita transparência também.

Somos atraídos quase que exclusivamente por informações muito interessantes. Elas também precisam ter qualidade visual para nos atrair. Não gostamos do feio.

Nós não estamos mais na era das cavernas mas a apresentação de informações em formatos visuais, que chamamos de infográficos, continuam em alta.

Quem sabe daqui a 35.000 anos os seus infográficos possam ser usados como registro da história!



VEJA AQUI 15 MAPAS MENTAIS BEM LEGAIS! 

SAIBA MAIS AQUI

domingo, 4 de novembro de 2018

O MARKETING DA ESCOLA SEM PARTIDO






Quando você quer vender um produto ruim, primeiro você precisa convencer o comprador que o produto é bom e necessário, e que não comprá-lo é ruim para você.

Foi assim, por exemplo, quando alguém inventou uma nova fórmula de iogurte que deu errado, porque causava diarreia. Como vender um alimento caro, desnecessário e que causa diarreia?

O pessoal do marketing chegou logo na resposta: convencer o consumidor de que ele, consumidor, é que tinha um problema de "intestino preso". Uma vez que o consumidor fosse convencido de que tinha um problema, uma espécie de "doença" que foi sutilmente chamada de "intestino preguiçoso", ficou fácil vender um iogurte que provoca diarreia: agora não mais como um produto esdrúxulo, desnecessário e potencialmente perigoso, mas sim como um alimento saudável que ajuda a resolver um problema de saúde! O marketing é assim.


Essa introdução serve para refletirmos sobre a "doutrinação" de professores em sala de aula. Quando essa "doença" foi inventada pelo advogado Miguel Nagib, pouca gente deu importância a ela nos meios educacionais, pois assim como vivemos bem com nosso intestino a vida toda sem precisar de iogurte, também vivemos bem, professores e alunos, com nossos conflitos em sala de aula.

Mas quando o marketing assumiu a batalha de transformar o jogo da aula em uma doença de doutrinação, onde o professor passa a ser o intestino preguiçoso e as medidas de repressão propostas pelo movimento Escola Sem Partido (criado por esse advogado) foram oferecidas como o "remédio" para sanar essa "doença", então as coisas começaram a mudar...

Hoje em dia muitas pessoas acreditam seriamente que têm intestinos preguiçosos e é difícil demovê-las dessa ideia, pois algumas amigas fazem cocô todas as manhãs! Da mesma forma que já começa a ser difícil crer que as aulas onde surgem debates, discordâncias e conflitos de ideias sejam "normais". Parece que a escola também precisa fazer coco todo dia, em toda aula, ou então se torna uma escola doente, preguiçosa.



O marketing do Escola Sem Partido usa muitas estratégias. Uma delas, por exemplo, consiste em sugerir que, havendo tantos conflitos de "doutrinação" causados pelo professor e, sendo estes supostamente impunes (um intestino doente que se recusa a fazer coco), os alunos deveriam filmar seus professores para registrar o "crime" e denunciar, pois caso contrário o professor jamais seria punido e o intestino educacional nunca funcionaria.

Professores que entendem que o movimento ESP defende ideias absurdas compraram, no entanto, a ideia de que serem filmados por seus alunos é ruim para eles e se lançaram em uma campanha para impedir essas filmagens. Ou seja, sem querer esses professores estão admitindo que, se filmados, serão pegos em flagrante no cometimento de crimes. Esse é o poder do marketing!

Dessa forma, alunos são jogados contra professores e incitados a "procurarem criminosos doutrinadores" e, os professores, do outro lado, são jogados contra os alunos e incitados a proibi-los de usarem smartphones e de filmarem as aulas.



O saldo é bem claro: alunos e professores em um conflito cada vez maior. Alunos que acabam por acreditar que seus professores são criminosos que precisam ser denunciados e, na outra via, professores que acabam acreditando que seus alunos são criminosos que querem denunciá-los por crimes que não comentem. Quem ganha com isso?

Quem ganha com isso é apenas a fábrica de "iogurte ideológico": o movimento Escola Sem Partido.

Os únicos aliados dos professores no seu dia a dia são os próprios alunos. Da mesma forma que os únicos aliados dos alunos são os professores. Jogar uns contra os outros é a melhor forma de prejudicar ambos.

Reflitam.





Fonte do texto:  José Carlos Antonio - Facebook / Site
Fonte do vídeo: Youtube.com
Imagens: Google imagens

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

BRASIL DE 1945 A 1964: UMA EXPERIÊNCIA DEMOCRÁTICA


  • Após a Segunda Guerra Mundial, o Brasil viveu o que podemos chamar "experiência democrática"
  • Por que ?  O Estado Novo chega ao fim
  • Por conta da liberdade de imprensa e a livre manifestação das ideias
  • Surgem dois grandes PROJETOS DE NAÇÃO



* PROJETO NACIONALISTA
  • Líder: Getúlio Vargas
  • O Estado deveria intervir na economia
  • A entrada de capital estrangeiro deveria ser controlada
  • O governo deveria manter uma posição independente dos EUA

* PROJETO LIBERAL
  • A economia deveria girar em torno do setor privado
  • O capital estrangeiro deveria ter liberdade para atuar no Brasil
  • O governo brasileiro deveria se aliar aos EUA incondicionalmente.
AS ELEIÇÕES DE 1945
  • 1945- Vargas sai do poder
  • Mulheres votam pela primeira vez para presidente
  • Voto direto e secreto
  • Foram criados dois novos partidos
* UDN - União Democrática Nacional
  • Era contra Getúlio 
  • A favor da entrada de capital estrangeiro no Brasil
* PSD - Partido Social Democrático
  • Aliado a Getúlio
  • Ligado a oligarquias agrárias
* PTB - Partido Trabalhista Brasileiro
  • Partido Getulista
  • Ligado ao Ministério do trabalho e sindicato dos trabalhadores
* PC do B - Partido Comunista do Brasil
  • Lançou candidato

GASPAR DUTRA VENCE AS ELEIÇÕES


  • Governa de 1946-1950
  • Aliou-se aos EUA (contexto da Guerra Fria)
  • Cassou o registro do PC do B
  • Cassou o mandato dos candidatos eleitos pelos comunistas

Aprovou a Constituição de 1946 - 18/09/1946

Características:
  • Brasil: Rep. Federativa Presidencialista
  • Liberdade de pensamento , expressão e associação
  • Autonomia aos 3 poderes
  • Todo brasileiro, de ambos os sexos, maiores de 18 anos poderiam votar
  • Analfabetos não poderiam votar (metade da pop. brasileira)
  • Garantia de greve aos trabalhadores, menos em setores essenciais (transporte, saúde, segurança)
Economia no governo Dutra
  • Liberalismo econômico
  • Importação de mercadorias (cigarros, carros, geladeiras, chicletes, perfumes...)
  • Em 1 ano e meio as reservas financeiras da época da Segunda Guerra esgotaram
  • Dutra restabelece o controle sobre as importações
  • Incentiva a compra de máquinas e equipamentos para a indústria nacional
  • O preço do café aumenta no exterior
  • A economia brasileira volta a crescer
VOCÊ SABIA?
  • No último ano do governo Dutra, 1950, chega ao Brasil a televisão. 
  • A primeira emissora de televisão chamava-se TV Tupi
  • Em SP havia somente 5 aparelhos de tv


AS ELEIÇÕES DE 1950
  • Primeira eleição com horário eleitoral 
  • Propaganda eleitoral no rádio
  • Grande migração de pessoas do campo para a cidade
  • Aumenta o grau de politização do povo
  • Candidatos: Getúlio Vargas (PTB), Brigadeiro Eduardo Gomes (UDN) e Cristiano Machado (PSD)
  • Vargas vence com 48,7% dos votos

SEGUNDO GOVERNO VARGAS
  • Governo marcado por grande rivalidade entre NACIONALISTAS X LIBERAIS
  • Causa: PETRÓLEO
  • Vargas (Nacionalista) defendia que a exploração e refino do petróleo fossem feitos no Brasil
  • Liberais (UDN) defendiam que empresas estrangeiras explorassem o petróleo brasileiro
  • Ex: Esso, Shell, Texaco
O PETRÓLEO É NOSSO


  • Campanha dos nacionalistas - Vargas
  • 03/10/1953 - Criação da Petrobrás
  • Vargas propôs uma lei que limitava a remessa de lucros de empresas estrangeiras instaladas no Brasil ( o Congresso barrou a lei)


A RADICALIZAÇÃO POLÍTICA
  • Vargas tenta reforçar sua imagem de pai dos trabalhadores
  • O povo estava insatisfeito com o salário, gerando greves em 1953
  • Vargas nomeu João Goulart (Jango) para Ministro do Trabalho
  • Jango prometeu aumentar em 100% o salário dos trabalhadores
  • A UDN não gostou e Jango, pressionado, deixou o cargo
  • 01/05/1954 - Vargas autoriza o aumento do salário mínimo em 100%
  • O jornalista Carlos Lacerda faz campanha difamatória contra Vargas e Jango
  • Lacerda exigia a renúncia de Getúlio 

VARGAS SURPREENDEU OS ADVERSÁRIOS
  • O jornalista Carlos Lacerda foi vítima de um atentado a bala, sobreviveu.

  • O major da Aeronáutica que estava com ele , Rubens Vaz, morreu
  • A imprensa criticava o governo Vargas e Lacerda pedia que os generais derrubasse Vargas
  • 22 de agosto de 1954 - generais da Aeronáutica exigem a renúncia de Vargas
  • 23 de agosto de 1954 , os generais do exército fazem a mesma exigência
  • Vargas, sentindo-se pressionado, escreveu uma carta ao povo e , em seguida se matou com um tiro no coração. 



A POSSE DE JUSCELINO KUBITSCHEK



  • 1955- JK (PSD) eleito
  • João Goulart (Jango) ( PTB ) - vice
  • UDN não se conformou
  • Carlos Lacerda queria anular a eleição, dizia que JK foi eleito com apoio dos comunistas e pedia golpe militar
  • O general legalista ( favorável ao cumprimento da lei) Henrique Teixeira Lott colocou os soldados na rua e obrigou os golpistas a fugirem. 
  • JK tomou posse
General Henrique Teixeira Lott


GOVERNO DE JK: "50 ANO EM 5"



  • Prometeu trazer 50 anos de progresso ao Brasil em 5 anos
  • Era Desenvolvimentista
  • JK  e Vargas tinham em comum a defesa da indústria nacional
  • Mas JK, ao contrário de Vargas, aceitava a entrada de capitais estrangeiros
  • PLANO DE METAS previa investimentos em : energia, transporte, saúde , educação e alimentação.
  • Investiu na indústria de base ( siderúrgicas, hidrelétricas, portos, mais de 20 mil km de estradas de rodagem.
  • Atraiu multinacionais para o Brasil para fabricar bens de consumo. ex: fábricas de veículos
  • JK incentivou a indústria automobilística e deixou de lado o transporte público
  • O Plano de Metas foi bem sucedido. 
  • Crescimento anual do Brasil era de 8,1%
  • Sua meta-síntese foi concluída: CONSTRUÇÃO DE BRASÍLIA (ideia que já era antiga)
Você sabia que na Constituição de 1891 já era prevista a construção de Brasília para ser a capital do Brasil?

  • Brasília foi inaugurada em 21/04/1960
Imagem de um candango. Assim eram chamados os nordestinos que ajudaram a construir Brasília

  • A inflação aumentou e chegou a 30,5% ao ano
  • As indústrias se concentravam na região centro-sul e isso aumentou as diferenças sociais nas  regiões do Brasil
  • Nordestinos e mineiros migraram para o centro-sul em busca de emprego em SP, RJ e Belo Horizonte.
  • JK governou com apoio do Congresso e manteve estabilidades política



O GOVERNO DE JÂNIO QUADROS

Presidente Jânio Quadros
  • Eleições no final de 1960
  • Jânio era advogado e professor
  • Jânio recebeu apoio da UDN
  • Vice : João Goulart (PTB coligado ao PSD)
  • Jânio assume o gov. em 1961 
  • Fica somente 7 meses no poder
  • Renuncia
O QUE JÂNIO FEZ EM POUCO TEMPO DE GOVERNO
  • Restringiu gastos para baixar a inflação
  • Reduziu crédito para empresários
  • Reduziu gastos
  • Congelou salários
  • Cortou ajuda do governo à importação de trigo e petróleo
  • O pão e o combustível aumentaram em 100%
  • O Brasil renegocia a dívida externa com o FMI
  • Desconta no povo e este se revolta contra Jânio
COISAS ESQUISITAS QUE JÂNIO FEZ EM SEU GOVERNO
  • Proibiu brigas de galo
  • Proibiu uso de lança-perfume no carnaval
  • Proibiu uso de biquinis nas praias
A POLÍTICA EXTERNA INDEPENDENTE DE JÂNIO QUADROS
  • Negou-se a se aliar aos EUA
  • Pensou em reatar relações diplomáticas com URSS e China comunista
  • Foi contra a invasão dos EUA em Cuba
  • Declarou apoio aos países africanos que lutavam pela independência de Portugal
  • Insatisfeitos com Jânio: EUA, chefes militares e UDN (Carlos Lacerda)
JÂNIO NÃO SE IMPORTOU COM AS CRÍTICAS


  • 19/08/1961: condecorou Che Guevara ( ministro cubano) com a Ordem do Cruzeiro do Sul (a maior honraria do Brasil)
A RENÚNCIA DE JÂNIO QUADROS
  • Após homenagear Che Guevara, Carlos Lacerda acusa Jânio de comunista
  • Jânio foi acusado de querer instalar uma ditadura no Brasil
  • 25/08/1961 - Jânio renuncia e deixa uma carta para o Congresso
  • Segundo alguns historiadores, essa renúncia foi um golpe
  • Porém, o golpe falhou pq o Congresso aceitou a renúncia de Jânio Quadros. 
  • Jânio tinha inimigos poderosos além da população insatisfeita com baixos salários e inflação
GOVERNO JOÃO GOULART  - JANGO (vice de Jânio Quadros)


  • Eram contra a posse do vice: UDN, militares, empresários nacionais e estrangeiros
  • Jango chegou a ser acusado de comunista
  • Leonel Brizola (RS) era a favor à posse de Jango
Leonel Brizola
  • O país caminhava para uma guerra civil
  • O congresso propôs o Parlamentarismo
  • Jango aceitou
  • Jango assume em setembro de 1961
  • Jango articula a volta do presidencialismo
  • 1963- plebiscito para o povo escolher entre PRESIDENCIALISMO X PARLAMENTARISMO
  • 80% dos eleitores votou no PRESIDENCIALISMO










O NACIONALISMO REFORMISTA DE JANGO
  • Parte dos empresários desconfiavam de Jango
  • Redução de investimentos no país
  • Desemprego e inflação

AS REFORMAS DE BASE
  • Para se aproximar das camadas mais populares e médias
  • Prometeu reforma: agrária, administrativa, bancária, tributária, política e educacional
  • A sociedade brasileira ficou dividida
  • FAVORÁVEIS: UNE(União Nacional dos Estudantes), JOC(Juventude Operária Católica) e JUC(Juventude Universitária Católica), CGT(Comando Geral dos Trabalhadores), Ligas Camponesas lideradas pelo pernambucano Francisco Julião.
  • CONTRA: grandes empresários, parte do alto clero e exército, organizações do IBAD(Instituto Brasileiro de Ação Democrática), IPES(Instituto de Pesquisa e Estudos Sociais - mantidas pelos EUA  e empresários brasileiros
  • Jornais que atacavam Jango: O Estado de São Paulo e Tribuna da Imprensa (de Carlos Lacerda)
  • Jango apoia os movimentos sociais e em 13 de março lidera um comício pelas reformas de base em frente à estação Central do Brasil  - RJ
  • 300 mil pessoas no comício
  • Jango assina dois decretos: um nacionalizando as refinarias de petróleo e outro desapropriando terras de mais de 100 hectares próximas as ferrovias e rodovias federais.
  • RESPOSTA  DA OPOSIÇÃO: Marcha da Família com Deus pela Liberdade em SP. Participaram autoridades civis e religiosas, porém o número de manifestante foi tb de 300 mil pessoas. 
O GOLPE CIVIL-MILITAR DE 1964