sexta-feira, 21 de abril de 2017

APRENDA MELHOR COM MAPAS MENTAIS


O que é mapa mental?



Um mapa mental é um diagrama que se elabora para representar ideias, tarefas ou outros conceitos que se encontram relacionados com uma palavra-chave ou uma ideia central, e cujas informações relacionadas em si são irradiadas (em seu redor).

Como funciona e para que serve?



Esta é uma técnica muito produtiva para várias finalidades. Em geral, é utilizada para representar ideias em diferentes contextos. Assim, é usada para estudar conteúdos muito específicos.

Ele funciona como uma ponte entre o mapa e a mente, ou seja, uma parte do assunto está na sua mente e outra está no papel, representada pelo mapa.
Quando você bate o olho em um ramo que trata de um determinado assunto, ele funciona como uma chave que vai disparar a base de dados da sua memória e lhe permitirá acessar seu conhecimento de uma forma mais visual.

Como começar a criar um mapa mental?

ANTES DE COMEÇAR A CRIAR UM MAPA:



  • Primeiramente, separe e leia um texto, grifando de maneira colorida o que achar importante, identificando as palavras-chaves por categorias de informações. 
  • Em seguida, coloque no centro do papel o tema sobre o qual você irá trabalhar.
  • Reflita sobre o primeiro tópico relacionado ao tema e destaque o título no papel. 
  • Após essa etapa, ramifique o tópico e crie sub-tópicos, de acordo com os assuntos dentro daquele assunto inicial. 
  • Utilize as palavras-chave destacadas no texto e repita o processo com cada tópico que julgar importante.


PARA COMEÇAR A DESENHAR O SEU MAPA:



  • Utilize uma folha de papel branco A4 ou, preferencialmente A3 de lado (paisagem).
  • Junte uma seleção de canetas coloridas, desde pontas finas a marcadores de texto.
  • Selecione o tópico, problema ou assunto a ser mapeado;
  • Junte qualquer material ou pesquisa ou informação adicional;
  • Comece no centro com uma imagem sem bordas;
  • Use dimensão, expressão e pelo menos três cores na imagem central para chamar atenção e ajudara memória.
  • Faça “galhos” o mais próximo possível do centro, grudados a figura central e com ondas. Coloque-as ideias básicas de ordenação, ou o “título do capítulo” equivalentes nos galhos.
  • Trace linhas mais finas a partir do final das ideias básicas apropriadas para guardar informações relevantes. (quanto mais importante, mais próxima dessas ideias deve ficar). Use imagens sempre que possível.
  • Use cores como seu próprio código especial para mostrar pessoas, tópicos, temas ou datas e para tornar seu Mapa Mental mais bonito.
  • Capture todas as ideias (suas ou de outros), então edite, reorganize, torne-as mais bonitas, aprimore ou deixe claro como um segundo estágio de pensamento. 


 QUEM FOI O CRIADOR DOS MAPAS MENTAIS?

O criador dos mapas mentais chama-se Tony Buzan. 

Saiba mais sobre ele AQUI.



Foram definidas até as 7 leis de Tony Buzan para criar mapas mentais:



1- Comece no centro de um papel
2- Use uma imagem central que designe a ideia principal
3- Utilize-se de cores
4- Conecte Ramos primários, secundários, terciários e quantos forem necessários
5- Deixe os ramos curvilíneos para dar um aspecto de árvore a eles.
6- Use imagens, nossa mente lida melhor com elas.
7- Use palavras chaves







domingo, 19 de março de 2017

AS 28 MONARQUIAS QUE AINDA EXISTEM NO MUNDO

 Monarcas do século 21


(REUTERS/Anna Gowthorpe/Pool) São Paulo - A monarquia voltou à pauta depois da abdicação do Rei Juan Carlos I na Espanha. Ele estava no poder há 39 anos.     Apesar da democracia dominar o cenário político contemporâneo, com presidentes, primeiros-ministros e parlamentos, ainda há mais de 40 países com monarquias - o Império Britânico é responsável por muitos países nessa contagem, diga-se.       Hoje, são 28 famílias reais. Algumas têm poderes absolutistas, mandando no país de fato. Outras, têm poderes limitados. Por fim, existem aquelas que são "meramente figurativas". Ter um família real para chamar de sua tem lá seu charme, pelo visto. Conheça a seguir as 28 monarquias contemporâneas, cujos respectivos emires, reis, príncipes e imperadores resistem aos séculos.

1. Arábia Saudita

(Courtney Kealy/Getty Images) O monarca da Arábia Saudita é o rei e primeiro-ministro Abdullah bin Abdul Aziz. No país, a monarquia tem o poder político de fato. Mas ele é o último que governará por hereditariedade. Por um decreto de 2006, depois de Abdullah os monarcas serão escolhidos por um comitê formado por príncipes sauditas. A família real saudita tem cerca de 30 mil membros.






 2. Kuwait

(Stephanie McGehee/Reuters) O monarca do Kuwait é o emir xeque Al-Sabah al Ahmed Al-Sabah desde 2006. Ele controla uma poderosa companhia de petróleo no país. Sua família está no poder desde os anos 1700.









3. Catar

(Mohamed Nureldin Abdallah/Reuters) O emir Tamim bin Hamad al-Thani chegou ao pode no Catar após a morte do pai, em 2013. Sua família domina a política local desde 1825, além de companhias de petróleo.










4. Emirados Árabes Unidos


(David Cannon/Getty Images) Pela organização dos Emirados Árabes Unidos, cada um dos sete distritos possui um monarca, com título de emir. Quem manda, geralmente, é o emir de Abu Dhabi, que também ocupa o cargo de presidente. Atualmente, essa pessoa é  Khalifa bin Zayed al-Nahyan, no poder desde 2004.





5. Suazilândia
(Ishara S.Kodikara/AFP) O rei de Suazilândia é, atualmente, Mswati III, desde que assumiu a coroa em 1986, depois do seu pai. Ele tinha apenas 18 anos à época. Com poderes de fato, ele tem o título de "Ngwenyama", que significa "leão".








6. Brunei
(Christopher Furlong/Getty Images) O sultão e primeiro-ministro de Brunei é Hassanal Bolkiah, desde 1967. Com grandes poderes, ele pode cuidar até mesmo do conselho legislativo e da Corte Suprema, que segue a sharia. Bilionário, ele tem uma residência privada que é considerada a maior do mundo.





7. Omã
(Getty Images) O monarca de Omã é o sultão Qaboos bin Said, desde 1970. Ele comando as finanças, o governo e os militares do país. Sua família está no poder desde os anos 1700.








8. Bahrein

(Getty Images) O atual rei do Bahrein, Hamad bin Isa al-Khalifa, está no poder desde 1999. Em 2002, ele trocou o título de emir pelo de rei. Ele tem grandes poderes, mas enfrenta desde 2011 protestos pró-democracia.






9. Jordânia

(Yussef Allan/AFP) O rei da Jordânia é Abdullah II, que reina desde 1999. Tecnicamente, ele é chefe de governo. Outra pessoa tem o cargo de primeiro-ministro. Ele tem poderes suficientes para vetar leis e dissolver o parlamento.






10. Marrocos

(AFP) O rei do Marrocos é Mohammed VI. Em 2011, após a Primavera Árabe, ele diminuiu os seus poderes. Contudo, ainda tem um poder significativo: pode indicar o primeiro-ministro e outros membros do governo.







11. Vaticano

(Vincenzo Pinto/AFP) Sim, o Papa Franciso é considerado um monarca. O Vaticano é uma monarquia absolutista eletiva da teocracia católica romana. Ele é "chefe de governo" global da Igreja Católica.






12. Mônaco


(Getty Images) Aqui já começa a lista das monarquias que têm certo poder, mas já não mandam e desmandam com total poder em seus países. O monarca de Mônaco é o Príncipe Albert II, no poder desde 2005. O legislativo de Mônaco é constituído por eleição. Albert II até pode indicar o chefe de estado, mas apenas entre uma lista de três nomes já previamente votados e selecionados.




13. Tailândia

(Getty Images) O atual rei da Tailândia, Bhumibol Adulyadej, está no poder desde 1952. Com pouco poder, ainda é importante no país. Pode perdoar crimes e vetar decisões do legislativo. Recentemente, aprovou a nova junta militar no país, após um golpe de estado.





14. Império Britânico

(Philip Toscano/Reuters) A Rainha Elizabeth II é considerada a chefe de estado em 16 monarquias constitucionais do Império Britânico, como Reino Unido, Nova Zelândia, Granada e Belize.








15. Liechtenstein


(Sean Gallup/Getty Images) Com pouco poder, recentemente Liechtenstein votou para, incrivelmente, aumentar os mandos do Príncipe Hans-Adam II. Ele pode dissolver o parlamento e vetar leis, por exemplo. Ele ainda é o chefe de estado.





16. Tonga

(Wikimedia Commons) O rei de Tonga, desde 2006, é George Tupou V. O trono foi herdado do seu pai. Assim que assumiu, prometeu que passaria muitos poderes para o primeiro-ministro, mas tem sido um monarca no estilo absolutista, provocando uma série de protestos pró-democracia.





17. Butão

(Wikimedia Commons)Jigme Khesar Namgyel Wangchuk é o líder da monarquia de Butão. Seu título é o de Druk Gyalpo, o que significa "Rei Dragão". Ele está no trono desde 2008. A família Wangchuk está no poder por cerca de um século.






18. Noruega

(Ragnar Singsaas/Stringer/Getty Images) Aqui começam as famílias reais meramente figurativas, apenas cerimonialistas. O rei da Noruega é Harald V. Sua agenda inclui reuniões com o gabinete do primeiro-ministro e com o parlamento. A monarquia é hereditária.





19. Suécia

(Ragnar Singsaas-Pool/Getty Images) O atual monarca é o Rei Carl XVI Gustaf, com papel apenas em cerimônias. Como a Suécia permite a sucessão feminina, a Princesa Victoria Ingrid Alice Desiree poderá assumir o trono como rainha no futuro.







20. Holanda

(REUTERS / Dylan Martinez) O Rei Willem-Alexander tem apenas alguns meses de trono, depois que sua mãe, Beatrix, abdicou do trono após 33 anos. A Holanda tem um parlamento bicameral. O rei, assim, não governa diretamente, mas tem sua importância como presidente do Conselho de Estado.





21. Espanha

(Wikimedia Commons) O Rei Juan Carlos I acabou de abdicar na Espanha, após 39 anos no poder. Quem assume agora é o Príncipe das Astúrias, Felipe de Bórbon. A origem do poder de Juan Carlos vem do franquismo. Sucessor do ditador Franco, Juan assumiu o poder após sua morte, mas optou por criar uma constituição democrática em 1978.






22. Dinamarca


(Wikimedia Commons) O Reino da Dinamarca tem como rainha Margrethe II, que está no poder desde 1972. Ela tem poucos poderes diante do parlamento. Seu reinado inclui a Groenlândia.









23. Luxemburgo


(Wikimedia Commons) O monarca de Luxemburgo não se define como rei, sim como grão-duque. Este é Henri Guillaume, ou simplesmente Grand Duque Henri. É um chefe de estado com poucos poderes de fato.








24. Bélgica

(Wikimedia Commons) O rei da Bélgica é Philippe, com pouco tempo de monarca - herdou o treino do seu pai, que abdicou em 2013. É uma figura simbólica, apenas, mas tem desempenhado certo papel em manter o país unido, aliando os francófonos e os flamengos.






25. Lesoto

(Divulgação)Lesoto tem como monarca o Rei Letsie III, no poder desde 1996. Informalmente, ele era o rei desde 1990, quando seu pai foi para o exílio. A Constituição do país não lhe dá poderes políticos.








26. Camboja

(Wikimedia Commons) O Rei do Camboja é Norodom Sihamoni. Ele não possui poderes políticos, mas desempenha ofícios simbólicos. É o embaixador do Camboja na Unesco, por exemplo.








27. Malásia

(Wikimedia Commons) Cada estado da Malásia tem um sultão. A cada cinco anos, uma eleição escolhe um desses sultões para se tornar o rei do país. Este é sultão" Jamalul Kiram III . Ele não tem influência política.







28. Japão


(Toru Yamanaka/AFP) No Japão, a dinastia Yamato tem origem para além dos anos 660. É a mais velha dinastia hereditária em todo o mundo. O atual líder é o Imperador Akihito, no poder desde 1989. Ele permanece em seu palácio em Tóquio e, segundo a "lenda", é o 125º imperador de sua dinastia.




Fonte: Exame/ setembro/ 2014

O ILUMINISMO E FORMAÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS




MAIS SOBRE ILUMINISMO AQUI

FORMAÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS AQUI 

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

A REVOLUÇÃO RUSSA - 1917

A RÚSSIA CZARISTA



  • Final século XIX
  • Maior país do mundo  ( na época:22 milhões de km2 e atualmente : 17,10 milhões de km2)
  • População: 160 milhões de habitantes
  • Povos com língua e costumes diferentes
  • Monarquia Absolutista
  • Poder na mão do CZAR

O QUE O CZAR FAZIA?

Czar Nicolau II

  • Nomeava e demitia ministros
  • Censurava jornais e revistas
  • Decidia em nome do povo
DINASTIA ROMANOV ( 1613-1917 )

SOCIEDADE
  • CZAR
  • Nobreza (boiardos)
  • Clero Ortodoxo 
  • 80% do povo vivia no campo ( impostos, analfabetos, explorados)
CZAR+NOBREZA+CLERO= DONOS DA MAIOR PARTE DAS TERRAS

"MINHA PROFISSÃO É SER DONO DA TERRA RUSSA" Nicolau II


A REVOLTA CONTRA A FOME (Séc. XVII à XIX)
  • Rebelião Pugatchev ( 1773-1775 )
  • Participaram milhares de camponeses
  • O exército russo a derrotou depois de muita luta
OS MUJIQUES = CAMPONESES
  • Sem acesso à terra
  • Pobreza e opressão
  • Migraram do campo para as cidades
  • 1863-1914- a população urbana da Rússia triplicou (6 milhões para 18,6 milhões)
  • Buscavam empregos nas nascentes indústrias russas
A MODERNIZAÇÃO DA RÚSSIA ( 2ª metade do séc. XIX)
  • Crescimento capitalista
  • Início das indústrias
  • Entrada de capital estrangeiro
  • O dinheiro vinha da Alemanha, França e Bélgica
  • Havia mão de obra farta e barata
  • Exploravam petróleo e aço
  • Construíam ferrovias ( ex: Transiberiana)
  • Surgem centros industriais ( São Petersburgo, Moscou e Kiev)

A INDÚSTRIA NÃO BENEFICIAVA A TODOS
  • Salários baixos
  • Riscos de acidentes de trabalho
  • Jornada de até 14 horas por dia
REAÇÃO DOS OPERÁRIOS
  • Greves
  • Passeatas
REAÇÃO DO CZAR
  • A polícia do czar (Okhrana) agiar com muita violência
IDEIAS SOCIALISTAS NA RÚSSIA


Karl Marx



Friederic Engels



Leia a versão em PDF AQUI

  • Devido a opressão sofrida pelos operários
  • Obras de Karl Marx traduzidas
  • Surgem grupos políticos de tendência marxista

PARTIDO OPERÁRIO SOCIAL-DEMOCRATA RUSSO (POSDR)
  • Partido perseguido pela polícia do czar
  • vários membros presos
  • Líderes: Vladimir Ulianov (Lênin) e Lev Bronstein ( Trotsky )
  • Os líderes saíram da Rússia e se organizaram no exterior
CONGRESSO DO PARTIDO OPERÁRIO RUSSO (1903)
  • Divergência interna entre os membros
  • BOLCHEVIQUES (maioria) a favor de Lênin
  • MENCHEVIQUES (minoria) - contra Lênin

SOBRE OS  BOLCHEVIQUES


Além de principal líder do Partido Bolchevique, Lênin foi o intelectual que articulou todo o processo de tomada do poder pelos comunistas em 1917. Na foto, tirada em algum momento incerto anterior à Revolução, ele aparece discursando em Petrogrado para um grupo de correligionários. A figura em destaque à direita do balcão é Leon Trotsky – um de seus potenciais sucessores, que acabaria sendo suplantado por Stalin, enviado para o exílio e posteriormente assassinado.

  • Líder: Lênin
  • Objetivo: Conquistar o poder por meio da revolução socialista
  • Estratégia: confiar a luta a um partido disciplinado que unisse soldados, operários e camponeses
SOBRE OS MENCHEVIQUES
  • Líder: Martov
  • Objetivo: conseguir o poder aliados à BURGUESIA e obtendo a maioria do parlamento 
  • Estratégia: Promover uma revolução burguesa contra o czarismo pela via eleitoral

O DOMINGO SANGRENTO - 1905



  • 1904- Rússia X Japão
  • disputavam a Manchúria (rica em minérios no norte da China)
  • a população mais pobre da Rússia sofreu com essa guerra.
  • Greve operária em São Petersburgo
  • O povo caminhou pelas ruas tomadas pela neve
  • Seguiram desarmados em direção ao Palácio de Inverno (sede do gov. do czar)
  • Levavam um abaixo-assinado para entregar ao czar
  • O documento não foi entregue ao czar
  • O czar mandou os soldados atirarem na multidão à queima-roupa
  • Muitos mortos e milhares de feridos
REAÇÃO DOS POPULARES
  • Greves e revoltas
  • Derrota da Rússia na guerra contra o Japão
  • O czarismo fica desmoralizado
  • Pressionado pelo povo, o czar convocou o Parlamento (DUMA) formado por deputados eleitos pelo povo
  • A Duma se fortalece e o czar dissolve a Duma 
  • O czar volta a governar de forma autoritária
REVOLTA DOS MARINHEIRO
  • Revolta dos marinheiros do Encouraçado Potemkim
  • Contra fome e castigos que sofriam pela Marinha czarista
SURGEM OS SOVIETES


A foto retrata o principal dos Sovietes, Soviete de Petrogrado, formado na capital do país e que em 15 dias de existência reuniu mais de 3 mil membros.
  • Conselhos de deputados eleitos por operários,camponeses e soldados.
O número enorme de deputados tornava as sessões caóticas. Por esse motivo, não tardou até que as decisões do Soviete passassem a ser tomadas inicialmente por seu comitê executivo, conhecido como Ispolkom, e posteriormente levadas à aclamação dos participantes. Os sovietes eram integrados por membros ligados a três partidos de esquerda (bolcheviques, mencheviques e socialistas-revolucionários), os quais divergiam seriamente quanto a diversos temas. A primeira foto é um exemplo – na faixa do canto superior esquerdo, lê-se “Fora Lênin!”.

A RÚSSIA NA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL


  • Objetivo:  controlar o Mar Mediterrâneo (através do Mar Negro)
  • 13 milhões de soldados contra a Alemanha
  • O exército russo não tinha: fuzis, botas, cobertores e treinamento
  • Resultado: 3 milhões de soldados mortos
  • Desemprego , inflação e fome.
O PROCESSO REVOLUCIONÁRIO


A foto mostra as tropas da Guarda Vermelha se preparando para o assalto ao Palácio de Inverno, em Petrogrado – sede do antigo governo czarista e do Governo Provisório que lhe sucedeu.


Desfile de tropas leais aos bolcheviques é realizado na frente da construção, após sua tomada – operação que é considerada o marco inicial da Revolução de Outubro e do governo comunista.

  • O povo culpava o czar pela permanência da Rússia na guerra
  • Saques em armazéns e lojas em busca de comida e roupa
  • Protestos por todo o país
  • 23/02/1917 (no calendário russo) tecelãs e operários marcham em direção ao prédio do governo
  • Os soldados do Exército Russo apoiaram o povo
  • Soldados entregaram suas armas e se uniram aos rebeldes
  • O povo invadiu o Palácio de Inverno
  • O czar foi posto para fora
  • O Parlamento assume o poder
  • Forma-se um governo provisório
O GOVERNO PROVISÓRIO
  • Líderes: políticos moderados . ex: Alexander Kerenski
  • Tentaram diminuir a insatisfação popular
  • Libertaram presos políticos
  • Permitiram a volta de exilados
  • Liberdade de imprensa e associação
  • Declarou que a Rússia continuaria na guerra
  • O povo não gostou


A VOLTA DE LÊNIN- abril de 1917


Parte do processo que desembocaria na Revolução de Outubro, os “dias de julho” foram inicialmente manifestações espontâneas de militares em Petrogrado, estimulados por uma recente derrota sofrida contra a Alemanha. A intelligentsia bolchevique aproveitou-se desse movimento, tomando sua liderança e introduzindo nas manifestações as palavras de ordem “vsia vlast’ sovietam” (“todo o poder aos sovietes”), como pode ser observado na faixa na fotografia acima. A manifestação foi contida e o Governo Provisório ordenou a prisão de vários líderes bolcheviques – entre os quais Lênin, que fugiu para a Finlândia, retornando à Rússia em seguida.

  • Lênin volta do exílio (líder Bolchevique)
  • Defendia a derrubada do Governo Provisório
  • Exigiu a retirada da Rússia da guerra
  • Exigiu a repartição de terras entre camponeses
  • Lema: TODO PODER AOS SOVIETS e  PAZ,TERRA E PÃO
  • O povo apoiou as ideias de Lênin
INÍCIO DA REVOLUÇÃO BOLCHEVIQUE - 24/10/1917
  • Bolcheviques assumem o poder na Rússia
  • Líderes: Lênin e Trotsky
  • Ocupam o Palácio de Inverno do czar
  • Lênin seria o presidente do Conselho de Comissários do Povo
O GOVERNO DE LÊNIN E A GUERRA CIVIL
  • Propôs paz aos alemães - Tratado de Brest-Litovsk
  • 03/03/1918- Rússia sai da guerra
  • Confisco de terras da família real, nobre e Igreja
  • Distribuição de terras entre os pobres
  • Economia estatizada - indústria, bancos e estradas de ferro
  • Igualdade de direitos entre homens e mulheres
A GUERRA CIVIL (1918-1921)


O exército russo foi um dos principais alvos da propaganda dos partidos de esquerda nos anos que antecederam à Revolução – como mostra essa foto, em que soldados simpáticos aos bolcheviques carregam faixas com slogans marxistas.



Lênin, alguns comandantes militares e o exército marcham na Praça Vermelha, em Moscou. Moscou foi tomada pelos bolcheviques em 15 de novembro de 1915, e sua captura passou por combates mais violentos do que os ocorridos em Petrogrado – alguns historiadores russos os consideram como as primeiras batalhas da Guerra Civil. Posteriormente, a cidade se tornaria a capital do país. A transferência ocorreu em março de 1918, temendo-se agitações em Petrogrado (cidade que depois foi renomeada como Leningrado, e hoje é conhecida como São Petersburgo).

  • Os Mencheviques reagiram às medidas dos Bolcheviques
  • Os monarquistas também reagiram
  • O EXÉRCITO BRANCO (russos brancos) também reagiu - era ajudados pela Inglaterra, EUA e Japão
  • Os Bolcheviques organizaram o EXÉRCITO VERMELHO (líder: Trotsky)
  • Guerra: EXÉRCITO BRANCO X EXÉRCITO VERMELHO
DURANTE A GUERRA CIVIL


Na foto, soldados pertencentes aos “vermelhos” – grupo vitorioso ao final do conflito – marcham em Kharkov, localizada na atual Ucrânia.


O czar Nicolau II e sua família foram fuzilados a mando dos Bolcheviques


Na foto: czar Nicolau II - Temendo que a antiga família imperial pudesse ser libertada e provocar agitações contra o novo regime, os bolcheviques executaram o czar, sua esposa, seus cinco filhos e toda sua comitiva em maio de 1918. Os corpos seriam descobertos apenas em 1979.

  • Bolcheviques adotaram o comunismo de guerra (controle da indústria,agricultura e comércio)
  • Bolcheviques confiscaram a produção agrícola dos camponeses  para manter o esforço de guerra
  • Bolcheviques criaram tribunais para condenar , sem julgamento, seus inimigos
  • O czar e sua família foram condenados e mortos
  • A fome matou milhares de pessoas
NEP: A NOVA POLÍTICA ECONÔMICA


Isso seria Lênin varrendo a burguesia
e a monarquia da Rússia

  • Medidas capitalistas de Lênin
  • Manteve a indústria de base, comércio exterior, bancos, transportes e comunicação sob seu domínio
  • permitiu camponeses venderem excedentes de seus produtos no mercado interno
  • Permitiu a formação de pequenas e médias indústrias privadas
  • Permitiu a contratação de mão de obra assalariada
  • Liberou empréstimos e investimentos estrangeiros na Rússia 
  • A agricultura se recuperou mas a indústria não.
Lênin pós a Vitória




Lênin nasceu em 1870 e faleceu em 1924. Após sua morte – possivelmente por sífilis ou causada por uma bala alojada em seu crânio – seu corpo foi embalsamado e atualmente, assim como durante todo o período soviético, é exposto em seu mausoléu, na Praça Vermelha em Moscou.


A FORMAÇÃO DA URSS

MAPA DA URSS

  • O Partido Comunista implantou uma ditadura na Rússia
  • A liberdade de imprensa e sindicatos foram proibidos
  • Os SOVIETS perderam a autonomia, teriam que obedecer ao PC
  • Dezembro de 1922 - fundação da URSS - União das Repúblicas Socialistas Soviéticas
  • Formou-se um governo com várias repúblicas
  • A Rússia seria a principal república da URSS
  • O Partido Comunista seria o único partido da URSS
  • 1922- Josef Stalin se torna o secretário geral do PC
  • Stalin eliminou seus opositores e deu cargos importantes a homens de sua confiança
A DISPUTA ENTRE TROTSKY E STALIN


Trotsky


Stálin

  • 1924- Morre Lênin
  • Iniciam as disputas pelo poder
  • Stalin (secretário geral do PC) X Trotsky ( Comissário de Defesa)
  • Trotsky, se destacou no comando do Exército Vermelho
  • Trostky seria o provável sucesso de Lênin
  • Trotsky queria internacionalizar a revolução 
  • Lema de Trotsky -  REVOLUÇÃO PERMANENTE
  • Stálin não concordava com Trotsky, para ele, primeiro deveriam consolidar o Socialismo para depois fazer a revolução em outros países
  • Lema de Stáli: SOCIALISMO EM UM SÓ PAÍS
  • 1927- Stálin expulsou Trotsky do PC e depois do país
  • Trotsky se exilou no México e foi assassinado a mando de Stálin
O GOVERNO DE STÁLIN (1927-1953)
  • Planos Quinquenais: plano econômico
  • Coletivizou a agricultura
  • Acelerou a indústria
  • Obrigou milhões de camponeses a entregar suas terras para o Estado
  • Implantou estabelecimentos rurais - SOVKAHOSES
  • SOVKAHOSES - eram fazendas estatais onde a produção pertencia ao Estado e os camponeses trabalhavam por salários muito baixos.
  • KOLKHOZES: cooperativas dos donos da produção mas não das terras
  • 1935- cerca de 98% dos camponeses trabalhavam em fazendas estatais
  • Camponeses ganhavam pouco e não tinham estímulo para produzir
  • Cai a produção agrícola e aumenta a fome no país
  • O Estado investiu na indústria de base ( metalúrgica, siderúrgica, química e elétrica)
  • Investiu em fábricas de automóveis, trator, estradas, ferrovias e no Metrô de Moscou
  • Combateu o analfabetismo
  • Criou cursos técnicos
RESULTADO:
  • Crescimento econômico significativo
  • Por volta de 1940 , a URSS era a 3ª potência mundial, atrás apenas dos EUA e da Alemanha
A DITADURA STALINISTA (1927-1953)


Fundado em 1912, o Pravda (“verdade”, em russo) era o jornal do Partido Bolchevique. Inicialmente perseguido pelo czarismo (o jornal chegou a mudar de nome oito vezes entre 1914 e 1917), o Pravda voltou a seu nome original em 1917 e, após a Revolução, tornou-se a publicação oficial do novo regime, status que manteria até 1991. O jornal foi fechado por Boris Yeltsin em 1991, mas logo após uma publicação de mesmo nome foi criada por um grupo de jornalistas russos. O novo Pravda foi então adquirido por empresários gregos e, em 1997, voltou às mãos do Partido Comunista Russo.
ACESSE O JORNAL PRAVDA NA VERSÃO PORTUGUÊS AQUI



  • A ditadura de Stálin termina com sua morte em 1953
  • O governo implantou o sistema de partido único
  • Obrigou os povos não russos a falarem russo e seguirem suas regras
  • Burocratizou o Estado dando altos cargos à cúpula do PC, aos militares de alta patente, funcionários públicos e técnicos graduados
  • Proibiu a liberdade de imprensa e pensamento
  • Obrigava os adversários a confessarem que eram traidores da pátria e os fuzilava.
  • Utilizou-se da propaganda para construir uma imagem de PAI DO POVO, GRANDE IRMÃO, MELHOR AMIGO DAS CRIANÇAS. 


Stálin nasceu em 1879 e faleceu em 1953. Após sua morte – possivelmente de hemorragia cerebral – seu corpo ficou exposto no mesmo salão que Lênin até o XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética (PCUS), realizado as portas fechadas, em fevereiro de 1956. Naquele ano, o corpo foi enterrado.

MAPA DA RÚSSIA ATUAL