sexta-feira, 28 de maio de 2010

Conceitos de Liberdade


Liberdade, em filosofia, designa de uma maneira negativa, a ausência de submissão, de servidão e de determinação, isto é, ela qualifica a independência do ser humano. De maneira positiva, liberdade é a autonomia e a espontaneidade de um sujeito racional. Isto é, ela qualifica e constitui a condição dos comportamentos humanos voluntários.
Não se trata de um conceito abstrato. É necessário observar que filósofos como Sartre e Schopenhauer buscam, em seus escritos, atribuir esta qualidade ao ser humano livre. Não se trata de uma separação entre a liberdade e o homem, mas sim de uma sinergia entre ambos para a auto-afirmação do Ego e sua existência. E na equação entre Liberdade e Vontade, observa-se que o querer ser livre torna-se a força-motriz e, paradoxalmente, o instrumento para a liberação do homem.
 Liberdade de indiferença
Ser indiferentemente livre é não ter mais propensão a fazer uma do que outra, entre duas alternativas.
Leibniz considerou a liberdade de indiferença impossível. Descartes a considerou o grau mais baixo da liberdade.
Uma causa espontânea é uma causa não motivada por algo exterior e sim uma própria decisão sua, apesar de depender de algo como dinheiro ou bens materiais, sua decisão o torna livre.
Esclarecimento
Para Descartes, age com mais liberdade quem melhor compreende as alternativas em escolha. Quanto mais claramente uma alternativa apareça como a verdadeira, mais facilmente se escolhe essa alternativa.
Pessoas que não buscam informações, têm mais dificuldades para identificar as inúmeras alternativas que existem, pois alternativas são frutos da aquisição dessas informações.
Autonomia
Para Kant, ser livre é ser autônomo, isto, é dar a si mesmo as regras a serem seguidas racionalmente. Todos entendem, mas nenhum homem sabe explicar.
Uma das obras realizadas por Kant é a Crítica da Razão Pura. Nesta, o estudo do fato da razão torna-se pertinente, pois discorre sobre a liberdade nesse contexto. O fato da razão citado por Kant é a consciência do indivíduo sobre as leis morais vigentes (REALE, 1990, p. 914). Mas esse fato da razão só pode ser admitido com a existência da liberdade, esta liberdade só é admitida com uma intuição intelectual, ou seja, conhecimento. Kant explica aqui que ter consciência das leis morais vigentes não é apenas por vias de intuição, ou conhecimento, puro nem intuitivo, essa consciência, ou fato da razão depende da intuição intelectual, para que se possa ver a liberdade como positiva. Kant chama esse aspecto positivo de autonomia. A liberdade que o homem deve aproveitar, em Kant, diz respeito à vontade. Essa vontade não deve ser bloqueada por nenhum tipo de heteronomia. O livre arbítrio deve ser utilizado de forma pura para que não dependa de nada com relação à lei. Portanto a pessoa dotada de liberdade, ou seja, sem intervenções de outrem, pode fazer uso desta, porém o fará com maior clareza se seu conhecimento e consciência de sua liberdade existir.
Spinoza
Para Spinoza, ser livre é fazer o que segue necessariamente da natureza do agente.
A liberdade suscita ao homem o poder de se exprimir como tal, e obviamente na sua totalidade. Esta é também, a meta dos seus esforços, a sua própria realização.
Apesar de muitas vezes associarmos o conceito de liberdade à decisão e determinação constante, esta não será bem assim, já que a nossa vida é condicionada a cada ousadia e passo. A deliberação está então conduzida pelo envolvente humano, no qual se inserem as leis físicas e químicas, biológicas e psicológicas. Caso contrário passa a chamar-se libertinagem. Associada à liberdade, está também a noção de responsabilidade, já que o acto de ser livre implica assumir o conjunto dos nossos actos e saber responder por eles.
No geral, ser livre é ter capacidade para agir, com a intervenção da vontade.
Leibniz
Para Leibniz, o agir humano é livre a despeito do princípio de causalidade que rege os objetos do mundo material.
A ação humana é contingente, espontânea e refletida. Ou seja, ela é tal que poderia ser de outra forma (nunca é necessária) e por isso, contingente. É espontânea porque sempre parte do sujeito agente que, mesmo determinado, é responsável por causar ou não uma nova série de eventos dentro da teia causal. É refletida porque o homem pode conhecer os motivos pelos quais age no mundo e, uma vez conhecendo-os, lidar com eles de maneira livre.
Schopenhauer
Para Schopenhauer, a ação humana não é, absolutamente, livre. Todo o agir humano, bem como todos os fenômenos da natureza, até mesmo suas leis, são níveis de objetivação da coisa-em-si kantiana que o filósofo identifica como sendo puramente Vontade.
Para Schopenhauer, o homem é capaz de acessar sua realidade por um duplo registro: o primeiro, o do fenômeno, onde todo o existente reduz-se, nesse nível, a mera representação. No nível essencial, que não deixa-se apreender pela intuição intelectual, pela experiência dos sentidos, o mundo é apreendido imediatamente como vontade, Vontade de Vida. Nesse caso, a noção de vontade assume um aspecto amplo e aberto, transformando-se no princípio motor dos eventos que sucedem-se na dimensão fenomênica segundo a lei da causalidade.
O homem, objeto entre objetos, coisa entre coisas, não possui liberdade de ação porque não é livre para deliberar sobre sua vontade. O homem não escolhe o que deseja, o que quer. Logo, não é livre - é absolutamente determinado a agir segundo sua vontade particular, objetivação da vontade metafísica por trás de todos os eventos naturais. O que parece deliberação é uma ilusão ocasionada pela mera consciência sobre os próprios desejos.
Sartre
Para Jean-Paul Sartre, a liberdade é a condição ontológica do ser humano. O homem é, antes de tudo, livre. O homem é livre mesmo de uma essência particular, como não o são os objetos do mundo, as coisas. Livre a um ponto tal que pode ser considerado a brecha por onde o Nada encontra seu espaço na ontologia. O homem é nada antes de definir-se como algo, e é absolutamente livre para definir-se, engajar-se, encerrar-se, esgotar a si mesmo.
O tema da liberdade é o núcleo central do pensamento sartriano e como que resume toda a sua doutrina. Sua tese é: a liberdade é absoluta ou não existe. Sartre recusa todo determinismo e mesmo qualquer forma de condicionamento. Assim, ele recusa Deus e inverte a tese de Lutero; para este, a liberdade não existe justamente porque Deus tudo sabe e tudo prevê. Mas como deus não existe, a liberdade é absoluta. E recusa também o determinismo materialista: se tudo se reduzisse à matéria, não haveria consciência e não haveria liberdade. Qual é, então, o fundamento da liberdade? É o nada, o indeterminismo absoluto. Agora entende-se melhor a má fé: a tendência a ser termina sendo a negação da liberdade. Se o fundamento da consciência é o nada, nenhum ser consegue ser princípio de explicação do comportamento humano. Não há nenhum tipo de essência - divina, biológica, psicológica ou social - que anteceda e possa justificar o ato livre. É o próprio ato que tudo justifica. Por exemplo: de certo modo, eu escolho inclusive o meu nascimento. Por que? Se eu me explicasse a partir de meu nascimento, de uma certa constituição psicossomática, eu seria apenas uma sucessão de objetos. Mas o homem não é objeto, ele é sujeito. Isso significa que, aqui e agora, a cada instante, é a minha consciência que está "escolhendo", para mim, aquilo que meu nascimento foi. O modo como sou meu nascimento é eternamente mediado pela consciência, ou seja, pelo nada. A falsificação da liberdade, ou a má fé, reside precisamente na invenção dos determinismos de toda espécie, que põem no lugar do nada o ser.
A liberdade humana revela-se na angústia. O homem angustia-se diante de sua condenação à liberdade. O homem só não é livre para não ser livre, está condenado a fazer escolhas e a responsabilidade de suas escolhas é tão opressiva, que surgem escapatórias através das atitudes e paradigmas de má-fé, onde o homem aliena-se de sua própria liberdade, mentindo para si mesmo através de condutas e ideologias que o isentem da responsabilidade sobre as próprias decisões.
Pecotche
Para Carlos Bernardo González Pecotche, a liberdade é prerrogativa natural do ser humano, já que nasce livre, embora não se dê conta até o momento em que sua consciência o faz experimentar a necessidade de exercê-la como único meio de realizar suas funções primordiais da vida e o objetivo que cada um deve atingir como ser racional e espiritual. Como princípio, assinala ao homem e lhe substancia sua posição dentro do mundo.
É preciso vinculá-la muito estreitamente ao dever e à responsabilidade individual, pois estes dois termos, de grande conteúdo moral, constituem a alavanca que move os atos humanos, preservando-os do excesso, sempre prejudicial à independência e à liberdade de quem nele incorre.
A liberdade é como o espaço, e que depende do ser humano que ela seja, também como ele, mais ampla ou mais estreita, vinculada ao controle dos próprios pensamentos e das atitudes. O conhecimento é o grande agente equilibrador das ações humanas e, em conseqüência, ao ampliar os domínios da consciência, é o que faz o ser mais livre.
Marx
Nos Manuscritos Econômico-filosóficos e em A Ideologia Alemã, Karl Marx entende a liberdade humana como a constante criação prática pelos indivíduos de circunstâncias objetivas nas quais despontam suas faculdades, sentidos e aptidões (artísticas, sensórias, teóricas...). Ele, assim, critica as concepções metafísicas da liberdade.
Para ele, não há liberdade sem o mundo material no qual os indivíduos manifestam na prática sua liberdade junto com outras pessoas, em que transformam suas circunstâncias objetivas de modo a criar o mundo objetivo de suas faculdades, sentidos e aptidões. Ou seja, a liberdade humana só pode ser encontrada de fato pelos indivíduos na produção prática das suas próprias condições materiais de existência.
Desse modo, se os indivíduos são privados de suas próprias condições materiais de existência, isto é, se suas condições objetivas de existência são propriedade privada (de outra pessoa, portanto), não há verdadeira liberdade, e a sociedade se divide em proletários e capitalistas. Sob o domínio do capital, a manifestação prática da vida humana, a atividade produtiva, se torna coerção, trabalho assalariado; as faculdades, habilidades e aptidões humanas se tornam mercadoria, força de trabalho, que é vendida no mercado de trabalho, e a vida humana se reduz à mera sobrevivência.
Marx diz que as várias liberdades parciais que existem no capitalismo - por exemplo, a liberdade econômica (de comprar e vender mercadorias), a liberdade de expressão ou a liberdade política (decidir quem governa) - pressupõem que a separação dos homens com relação as suas condições de existência seja mantida, pois, caso essa separação seja atacada pelos homens em busca de sua liberdade material fundamental, todas essas liberdades parciais são suspensas (ditadura) para restabelecer o capitalismo. Mas se a luta dos indivíduos privados de suas condições de existência (proletários) tiver êxito e se eles conseguirem abolir a propriedade privada dessas condições, seria instaurado o comunismo, que ele entende como a associação livre dos produtores.
Guy Debord
No livro A Sociedade do Espetáculo, Guy Debord, ao criticar a sociedade de consumo e o mercado, afirma que a liberdade de escolha é uma liberdade ilusória, pois escolher é sempre escolher entre duas ou mais coisas prontas, isto é, pré-determinadas por outros. Uma sociedade como a capitalista onde a única liberdade que existe socialmente é a liberdade de escolher qual mercadoria consumir impede que os indivíduos sejam livres na sua vida cotidiana. A vida cotidiana na sociedade capitalista se divide em tempo de trabalho (que é não-livre, submetido à hierarquia de administradores e às exigências de lucro impostas pelo mercado) e tempo de lazer (onde os indivíduos tem uma liberdade domesticada que é escolher entre coisas que foram feitas sem liberdade durante o tempo de trabalho da sociedade). Assim, a sociedade da mercadoria faz da passividade (escolher, consumir) a liberdade ilusória que se deve buscar a todo o custo, enquanto que, de fato, como seres ativos, práticos (no trabalho, na produção), somos não-livres,
Ética
'Liberdade, essa palavra
que o sonho humano alimenta
que não há ninguém que explique
e ninguém que não entenda.'
— Cecília Meireles, em Romanceiro da Inconfidência
Em ética a liberdade costuma ser considerada um pressuposto para a responsabilidade do agente, para o desenvolvimento de seu ambiente, de suas estruturas para conseguir, no final, satisfação para o meio.

Qual o seu conceito de Liberdade?
Quais os conceitos de Liberdade de cada filósofo citado no texto?

53 comentários:

  1. bem,liberdade é você ser livre para fazer o que quizer.
    sem ter que da explicaçao pra ninguém !!!

    ResponderExcluir
  2. tiago 3°f tarde28 de maio de 2010 14:00

    Liberdade significa a condição de um indivíduo não ser submetido ao domínio de outro e, por isso, ter pleno poder sobre si mesmo e sobre seus atos.


    Leibniz considerou a liberdade de indiferença impossível.
    Descartes a considerou o grau mais baixo da liberdade.
    Para Kant, ser livre é ser autônomo, isto, é dar a si mesmo as regras a serem seguidas racionalmente.
    Karl Marx entende a liberdade humana como a constante criação prática pelos indivíduos de circunstâncias objetivas nas quais despontam suas faculdades, sentidos e aptidões (artísticas, sensórias, teóricas).
    Guy Debord afirma que a liberdade de escolha é uma liberdade ilusória, pois escolher é sempre escolher entre duas ou mais coisas prontas, isto é, pré-determinadas por outros.

    ResponderExcluir
  3. Fábio Rodriguez - 3º ano F28 de maio de 2010 14:01

    A liberdade, está para cada um de nós, como a maneira de como vivemos, de como aceitamos leis impostas pelo estado. A liberdade não é só liberdade de ir e vir, é de liberdade de se expressar, de escolher, de opina r e de muitas outras coisas, um exemplo de libardade foi o q conseguimos na decada de 80, com o fim da Ditadura Militar e o poder de voto. Cada um de nós, coseguimos a liberdade de que nos convém, um exemplo são os criminosos que não souberam aproveitar sua liberdade e fizeram as besteriras q fizeram.
    Mas como não sou o único que tenho conceito de liberdade, Kant disse que "ser liver é ser autônomo". Descartes disse que "age com mais liberdade quem melhor compreende as alternatívas de escolha." Leibniz considerou a liberdade como "indiferença impossével"(????????????)
    Spinoza disse que "ser livre é fazer o que segue necessariamente da natureza do agente"
    Cada um tem seu conceito, quem sou eu para descodar de ninguém????????????????

    ResponderExcluir
  4. Eudla Melo 3º F Tarde28 de maio de 2010 14:06

    Meu conceito de liberdade é ter domínio sobre nossos atos,ter nossas opiniões, pensamentos, enfim, é ter a capacidade de escolha, não ser submetido ou domínio do outro...
    Para Kant, ser livre é ser autônomo, isto, é dar a si mesmo as regras a serem seguidas racionalmente...
    Para Spinoza, ser livre é fazer o que segue necessariamente da natureza do agente...
    Para Leibniz, o agir humano é livre a despeito do princípio de causalidade que rege os objetos do mundo material...
    Para Schopenhauer, a ação humana não é, absolutamente, livre. Todo o agir humano, bem como todos os fenômenos da natureza, até mesmo suas leis, são níveis de objetivação da coisa-em-si kantiana que o filósofo identifica como sendo puramente Vontade...
    Para Jean-Paul Sartre, a liberdade é a condição ontológica do ser humano. O homem é, antes de tudo, livre. O homem é livre mesmo de uma essência particular, como não o são os objetos do mundo, as coisas...
    Para Carlos Bernardo González Pecotche, a liberdade é prerrogativa natural do ser humano, já que nasce livre, embora não se dê conta até o momento em que sua consciência o faz experimentar a necessidade de exercê-la como único meio de realizar suas funções primordiais da vida e o objetivo que cada um deve atingir como ser racional e espiritual...
    Nos Manuscritos Econômico-filosóficos e em A Ideologia Alemã, Karl Marx entende a liberdade humana como a constante criação prática pelos indivíduos de circunstâncias objetivas nas quais despontam suas faculdades, sentidos e aptidões (artísticas, sensórias, teóricas...). Ele, assim, critica as concepções metafísicas da liberdade...
    No livro A Sociedade do Espetáculo, Guy Debord, ao criticar a sociedade de consumo e o mercado, afirma que a liberdade de escolha é uma liberdade ilusória, pois escolher é sempre escolher entre duas ou mais coisas prontas, isto é, pré-determinadas por outros...

    ResponderExcluir
  5. Rodrigo Oliveira - 3° F - Tarde - J.A28 de maio de 2010 14:07

    1°) Meu conceito de liberdade é: Liberdade é o fato de um individuo não ser submisso a alguém, ou seja ser "independente" e livre de qualquer servidão; é ter a ausencia de qualquer poder que tenha alguma influência no que pode e se deve fazer.

    2°)Sartre e Schopenhauer atribuem a liberdade a qualidade do homem ser livre.

    Para Descartes, age com mais liberdade quem melhor compreende as alternativas em escolha.

    Para Kant, ser livre é ser autônomo, isto, é dar a si mesmo as regras a serem seguidas racionalmente. Todos entendem, mas nenhum homem sabe explicar.

    Para Spinoza, ser livre é fazer o que segue necessariamente da natureza do agente.
    Pecotche

    Para Carlos Bernardo González Pecotche, a liberdade é prerrogativa natural do ser humano, já que nasce livre.

    Esses são os conceitos de liberdade de cada filosofo.

    ResponderExcluir
  6. Larissa Lima N-18 3-F28 de maio de 2010 14:07

    1-Liberdade, é ter suas próprias regras, ter noção do que se está fazendo, e ver se aquilo terá algum agravante, ter responsabilidade, saber responder por seus erros e saber agir da melhor forma.

    2-Para Pecotche, a liberdade é prerrogativa natural do ser humano, já que nasce livre.

    Para Spinoza, ser livre é fazer o que segue necessariamente da natureza do agente.

    Para Sartre, a liberdade é a condição ontológica do ser humano.

    Para Leibniz, o agir humano é livre a despeito do princípio de causalidade que rege os objetos do mundo material.

    Para Kant, ser livre é ser autônomo, isto, é dar a si mesmo as regras a serem seguidas racionalmente.

    ResponderExcluir
  7. João Paulo Loiola - nº 16 - 3º ano F - J.A.28 de maio de 2010 14:08

    1º Para me "A liberdade é a coisa que todo muindo precisa,etá para cada u8m de nós como como a maneira de viver.É o sonho humano que nos alimenta não há ninguém que explique e ninguém que não entenda.É por isso que nós precisamos da liberdade com ela nós podemos tudo.todos nós precisamos de um pouco de liberdade para nos livrar de muotas coisas que à de ruim que nós precisamos tira e pensar um pouco mais de como a gente está agindo."

    2º Leibniz diz: considero que a liberdade não é igaul a indiferença impossível.
    Kant diz: ser livre é ser autônomo, isto, é dar a si mesmo as regras a serem seguidas racionalmente. Todos entendem, mas nenhum homem sabe explicar.
    Leibniz diz: o agir humano é liberdade a despeito do princípio de causalidade que rege os objetos do mundo material.
    Jean-Paul Sartre diz: a liberdade é a condição ontológica do ser humano. O homem é, antes de tudo, livre.

    ResponderExcluir
  8. Quézia Soares de Moraes 3°F tarde Nº 27. escola J.A28 de maio de 2010 14:19

    1-É ser livre para me expressar da forma que eu quero.Mas com tudo tendo responsabilidade!E não exagerar na "dose".

    2-Spinoza:ser livre é fazer o que segue necessariamente da natureza do agente.

    Leibniz:Para Leibniz, o agir humano é livre a despeito do princípio de causalidade que rege os objetos do mundo material.

    Schopenhauer:O homem não escolhe o que deseja, o que quer. Logo, não é livre - é absolutamente determinado a agir segundo sua vontade particular, objetivação da vontade metafísica por trás de todos os eventos naturais.

    Sartre:Para Jean-Paul Sartre, a liberdade é a condição ontológica do ser humano.Livre a um ponto tal que pode ser considerado a brecha por onde o Nada encontra seu espaço na ontologia. O homem é nada antes de definir-se como algo, e é absolutamente livre para definir-se, engajar-se, encerrar-se, esgotar a si mesmo.

    Pecotche:O ser humano, já que nasce livre, embora não se dê conta até o momento em que sua consciência o faz experimentar a necessidade de exercê-la como único meio de realizar suas funções primordiais da vida e o objetivo que cada um deve atingir como ser racional e espiritual.

    Marx:A liberdade humana só pode ser encontrada de fato pelos indivíduos na produção prática das suas próprias condições materiais de existência.

    Guy Debord:Para ele a única liberdade que existe socialmente é a liberdade de escolher qual mercadoria consumir impede que os indivíduos sejam livres na sua vida cotidiana.

    ResponderExcluir
  9. Douglas benevides da silva castelo branco28 de maio de 2010 14:21

    é basicamente a opição de uma pessoa de não se submeter a outra e com isso ter a autoridade sobre seus atos;
    LEIBNIZ:conclui que a liberdade traz a diferença garantida;
    DESCARTES:conclui que a liberdade é uma causa espontanea pois só depende de cada pessoa;
    KANT:conclui que ser livre é ser autonomo;
    SPINOZA:conclui que ser livre é fazer o que segue da natureza do agente;
    SCHOPENHAUERA:a ação humana não é, absolutamente, livre. Todo o agir humano são níveis de objetivação da coisa-em-si kantiana que o filósofo identifica como sendo puramente Vontade;
    SARTRE:conclui que a condição ontologicado ser humano.

    ResponderExcluir
  10. kessiana sousa nº17 3º F28 de maio de 2010 14:22

    1º)liberdade,para mim é uma forma de expresar seus pensamentos,seus desejos,liberdade de ir e vim para onde desejo,liberdade de amar depedente de cor ou raça.

    2º) :Para-Kant, ser livre é ser autônomo, isto, é dar a si mesmo as regras a serem seguidas racionalmente. Todos entendem, mas nenhum homem sabe explicar.
    :Spinoza-Para Spinoza, ser livre é fazer o que segue necessariamente da natureza do agente.
    No geral, ser livre é ter capacidade para agir, com a intervenção da vontade.
    Leibniz-Para Leibniz, o agir humano é livre a despeito do princípio de causalidade que rege os objetos do mundo material.
    :Para-Schopenhauer, a ação humana não é, absolutamente, livre. Todo o agir humano, bem como todos os fenômenos da natureza, até mesmo suas leis, são níveis de objetivação da coisa-em-si kantiana que o filósofo identifica como sendo puramente Vontade.
    :Para-Carlos Bernardo González Pecotche, a liberdade é prerrogativa natural do ser humano, já que nasce livre, embora não se dê conta até o momento em que sua consciência o faz experimentar a necessidade de exercê-la como único meio de realizar suas funções primordiais da vida e o objetivo que cada um deve atingir como ser racional e espiritual. Como princípio, assinala ao homem e lhe substancia sua posição dentro do mundo.
    :Para Marx-não há liberdade sem o mundo material no qual os indivíduos manifestam na prática sua liberdade junto com outras pessoas, em que transformam suas circunstâncias objetivas de modo a criar o mundo objetivo de suas faculdades, sentidos e aptidões. Ou seja, a liberdade humana só pode ser encontrada de fato pelos indivíduos na produção prática das suas próprias condições materiais de existência.

    ResponderExcluir
  11. Michelle 3 ano f28 de maio de 2010 14:22

    meu conceito de liberdede é bem parecido com o conceito de kant,que liberdade tem tudo a ver com autonomia pois você so possui liberdade se você for ua pessoa responsavél por seu atos,opiniões e decisões.

    descartes considera que você que escolher em obter a liberdade ou não.

    kant considera que ser livre é uma pessoa que é responsável por seu atos,decisões e atitudes.

    spinoza ser livre é fazer o que segue necessariamente da natureza,ele so possui liberdade através de seu esforço.

    michelle 3 'F'

    ResponderExcluir
  12. Spinoza:para ele liberdade é fazer o que segue necessariamente da natureza do agente.
    Leibniz: para ele ser livre a despeito do princípio de causalidade que rege os objetos do mundo material.
    Schopenhaver:; não é ser totalmente livre.
    Sarte: para ele é a condição ontológica do ser humano.
    Pecotche:a liberdade é prerrogativa natural do ser humano.
    E para mim liberdade é poder se expressar, ter vontade própria sem ter que seguir nenhuma lei ou regras que seja contra nossa vontade.
    Ana Letícia R. Lopes nº04 3° F

    ResponderExcluir
  13. Talita Xavier n°32 3°F28 de maio de 2010 14:24

    Liberdade pra mim é ser livre" pra ir e vir".Fazer minhas próprias escolhas.Decidir como encaminhar minha vida da maneira que eu achar melhor.
    Para Descartes, age com mais liberdade quem compreende melhor suas alternativas e escolhas.Para Kant, é dar a si mesmo as regras a serem seguidas racionalmente.Para Spinoza, ser livre está inteiramente ligado a responsabilidade.Para Schopenhauer,o homem não escolhe o que deseja, o que quer. Logo, não é livre.

    ResponderExcluir
  14. liberdade pra mim é saber escolher o que for melhor pra minha vida, não se trata de poder fazer qualquer escolha, mas a escolha certa.não é apenas fazer tudo o que minha vontade pedi ,mais, sim, dominar minhas vontades e fazer o que for melhor...muitas pessoas acham que são libertos: cometem homicidios se drogam cometem muitos erros..; mais isso naum é a verdadeira liberdade ...a verdadeira liberdade é se submeter a alguem que pode te fazer feliz e pode fazer vc ser uma pessoa melhor a cada dia...vou dar um exemplo de liberdade :aqueles que se submetem a cristo...
    e anda como ele andou aqui na terra...

    ResponderExcluir
  15. Leide Laura Sousa - 19 - 3 F28 de maio de 2010 14:26

    Bem, a liberdade dar permissão para que o homem possa se exprimir como ele relamente se comporta perante seus semlhantes.

    1* Leibniz - Para Leibniz, o agir humano é livre a despeito do princípio de causalidade que rege os objetos do mundo material.

    2* Spinoza - Para Spinoza, ser livre é fazer o que segue necessariamente da natureza do agente.

    3* Descartes - Para Descartes age com mais liberdade quem melhor compreende as alternativas em escolha.

    4* Pecotche - Liberdade é prerrogativa natural do ser humano, já que nasce livre.

    ResponderExcluir
  16. Luiz Henrique nº22 3ºano F J.A28 de maio de 2010 14:27

    1º Para mim Liberdade em si é ter autonomia e espontaneidade é não ser submisso ou seja fazer o que quizer.
    2º Resumidamente para Descartes tem mais liberdade quem melhor faz suas escolhas.
    3º Para Kant ter liberdade e seguir suas proprias regras.
    4º Para Spinoza ser livre e fazer o que é de sua natureza.
    5º Para Schopenhauer o Homem não é absolutamente livre ele é obrigado a agir segundo a sua vontade particular.
    6º Para Pectche o ser humano já é livre embora sua consciência faça ele experimentar novas sensações.

    ResponderExcluir
  17. Thais Felipe Campina num.33 3ano f28 de maio de 2010 14:28

    Spinoza:para ele liberdade é ser livre para fazer o que segue necessariamente da natureza do agente!
    Leibniz:para ele ser livre a despeito do principio de causalidade que rege os objetos do mundo material!
    Schopenhauer:para ele liberdade nao é ser totalmente livre!
    Sartre:para ele liberdade é a condição ontológica do ser humano!
    Pecotche:para elr liberdade é prerrogativa natural do ser humano!
    Para mim ser livre é ter direito de fazer e seguir suas próprias regras,ser livre nao significa passar por cima de tudo e de todos,mas si, ter a sua propria forma de se expressar,falar e varias outras coisas!!!

    ResponderExcluir
  18. todos nós temos o direito de se expressa nossas opiniões!!1

    ResponderExcluir
  19. Gleiciane Ferreira 13/ 3 F28 de maio de 2010 14:31

    Liberdade pra dentro da cabeça... Meu conceito sobre liberdade é voce poder pensar em voz alta,expor seus pensametos sem se importar com a opiniao dos outros,e muito menos achar que vai ser criticado por expor suas opinioes.
    1- Pecotche:
    Para Carlos Bernardo González Pecotche, a liberdade é prerrogativa natural do ser humano, já que nasce livre, embora não se dê conta até o momento em queK sua consciência o faz experimentar a necessidade de exercê-la como único meio de realizar suas funções primordiais da vida e o objetivo que cada um deve atingir como ser racional e espiritual.

    2-Kant:O livre arbítrio deve ser utilizado de forma pura para que não dependa de nada com relação à lei. Portanto a pessoa dotada de liberdade, ou seja, sem intervenções de outrem, pode fazer uso desta, porém o fará com maior clareza se seu conhecimento e consciência de sua liberdade existir.

    3-Marx:Para ele, não há liberdade sem o mundo material no qual os indivíduos manifestam na prática sua liberdade junto com outras pessoas, em que transformam suas circunstâncias objetivas de modo a criar o mundo objetivo de suas faculdades, sentidos e aptidões. Ou seja, a liberdade humana só pode ser encontrada de fato pelos indivíduos na produção prática das suas próprias condições materiais de existência.
    4-Sartre-Livre a um ponto tal que pode ser considerado a brecha por onde o Nada encontra seu espaço na ontologia. O homem é nada antes de definir-se como algo, e é absolutamente livre para definir-se, engajar-se, encerrar-se, esgotar a si mesmo.
    O tema da liberdade é o núcleo central do pensamento sartriano e como que resume toda a sua doutrina. Sua tese é: a liberdade é absoluta ou não existe.

    ResponderExcluir
  20. Marcia Fernandes 3° F28 de maio de 2010 14:31

    Spinoza:ser livre é fazer o que segue necessariamente da natureza do agente.
    Leibniz: é ser livre a despeito do princípio de causalidade que rege os objetos do mundo material.
    Schopenhaver: Não é ser totalmente livre.
    Sartre: é a condição ontológica do ser humano.
    Pecotche: a liberdade é prerrogativa natural do ser humano.
    E para mim liberdade é ser livre pra fazer o que eu quiser; não ter regras pra seguir ou ninguém pra me controlar; ou seja adoro fazer coisas que gosto e que acho agradável.

    ResponderExcluir
  21. leonardo de oliveira 3° ano f N° 2028 de maio de 2010 14:33

    liberdade pra mim é, que uma pessoa nao pode ser submessa a outro individuo.elas tem que ser independente de seus escolhas.Para kant é dar a si mesmo as regras a serem seguidas.Para Sartre o homem é livre mesmo sendode uma essencia particular.Para Spinosa ser livre é fazer o que segue necessariamente da natureza do agente.

    ResponderExcluir
  22. Ana Carla -02,3f28 de maio de 2010 14:33

    Liberdade para mim,depende da sua atitude ao fazer algo,e estar ligado as informações para não fazer besteira.

    Descartes:A sua liberdade depende da decisão que você escolher.

    Kante:Ser livre é ser autônomo,isto,é dar a si mesmo as regras a serem seguidas.

    Pecotche:Lierdade é prerrogativa natural do ser humano,já que nasce livre.

    Shopenhauer:Liberdade é a ação humana,não é absolutamente livre,depende de todo o agir humano.

    ResponderExcluir
  23. Ana Cícera Da Costa Guedes 3°f Tarde28 de maio de 2010 14:35

    A liberdade esta ligada a ausênsia de submissão. Apartir do momento em que o homem agreditar determinismo e passa a interfer na ssuas escolhas e deixa sua condição de subordinado mesmo ainda dependa de algo matérial,mas não de outro individuo torna-se então livre.

    Para Spinosa liberdade é fazer o que lhe é necessario, mais anda sassim vinculado com a liberdade esta também a responsabilidade de assumir seus e pagar por suas escolhas.

    ResponderExcluir
  24. Margleyck / 3°F / tarde /28 de maio de 2010 14:37

    Liberdade ... Para mim liberdade e uma caracteristica de cada um, cade um tem um estilo de liberdade cada pessoa em um modo de tratar ''liberdade''.
    No geral, ser livre é ter capacidade para agir, com a intervenção da vontade.
    liberdade e ser independente do mundo acima de tudo, muitas pessoas aproveitam a liberdade que tem mas tambem tem o outro lado , pessoas que passam parte de suas vidas isoladas, presas fora da sociedade.
    Quem mais aproveita a liberdade e aqule que fazem suas proprias escolhas e tambem quem melhor entende o que a vida nos poem.


    DESCASTES ... Para Descartes o conceito de liberdade e que para ser livre não e nescessario depender de algo como dinheiro ou bens materiais.

    Kant ... Para Kant ter liberdade e ser livre sem depender de outras pessoas ser outonomo fazer o que bem entende.

    ResponderExcluir
  25. Talita sobreira silva 3º ano F28 de maio de 2010 14:38

    Eu acho que liberdade é ser independente,mas ñ de tudo,pois existem coisas que sem as quais ñ vivemos.Dependemos primeiramente de Deus,depois do dinheiro que é a principal ferramenta que ultilizamos para obter a maioria das coisas,mas isso não nos impede de tomarmos nossas próprias decisões,temos livre arbítrio para escolhermos o que queremos pro futuro e o que é melhor para nossa VIDA!


    (ESTIVE)Pude perceber que ele era um homem inteligente mas,ambicioso e cruel,tinha a liberdade como um poder para fazer o que quizer;

    (LEIBNIZ)Fala que o agir humano é livre a respeito do princípio de casualidade que rege os objetos do mundo material.

    (kANT)Diz q ser livre é ser uma pessoa que é responsável por seus atos e decisões,que se algo der errado a própria pessoa ñ jugará ninguém pois teve a libredade de escolher o que fazer.

    ResponderExcluir
  26. Luiz Henrique nº 22 3º ano F José de Alencar28 de maio de 2010 14:38

    1º Para mim liberdade em si é ter autonomia e não ter submissão ou seja fazer o que quizer mas devemos pensar nas consequências.
    2º Para Descartes tem mais liberdade quem melhor faz suas escolhas.
    3º Para Kant ter Liberdade e seguir suas proprias regras.
    4º Para Spinoza ser livre é fazer o que e de sua natureza.
    5º Para Schopenhauer o homem não é absolutamente livre é obrigado a agir segundo sua vontade particular.

    ResponderExcluir
  27. Thays Priscila de Araújo Sousa - Nº:34 - 3ºAno F28 de maio de 2010 14:39

    Liberdade, é o direito de toda pessoa poder fazer tudo o que quiser sem nenhuma restrinção. Toda pessoa tem o direito de realizar suas vontades, fazer tudo do seu jeito e como bem entender, mas ela precisa ter maturidade nas suas escolhas.

    CONCEITO DE LIBERDADE DOS FILÓSOFOS

    * Spinoza
    Para Spinoza, ser livre é a pessoa fazer tudo o que tem vontade, mas com muita responsabilidade. A liberdade deve incluir as leis físicas e químicas, biológicas e psicológicas caso contrário passa a chamar-se libertinagem.

    * Pecotche
    Para Pecotche, todo ser humano já nasce livre, embora não perceba até ter a necessidade de usá - la para realizar suas vontades. A liberdade é como um lugar, e cabe ao ser humano fazer com que este seja pequeno ou grande.

    *Schopenhauer
    Para Schopenhauer, nenhum ser humano é livre. Não possui liberdade de ação porque não é livre para deliberar sobre sua vontade. O homem não escolhe o que deseja, o que quer. Logo, não é livre.

    ResponderExcluir
  28. iris 3º f tarde28 de maio de 2010 14:39

    liberdade e quando você tem sua própria vida
    Descartes e um filósofo com pensamentos de liberdadee compreende a suas alternatinas.
    kant tem um aspecto do homem e sua liberdade e seu livre arbítrio.
    Pecotche nós deveriamos ser livres mas também assumir por seus actos.

    ResponderExcluir
  29. vanessa viana mourao 3ºf nº40
    resposta
    1-liberdade e nao esta sujeito a leis pessoas,ou outras coisas liberdades e ser independente do mundo, e voce criar suas proprias regras de vida e voce decidir pra onde e o que querseguir.
    2-kant para ele e dar a si mesmo o que ele tem que fazer e que a liberdade que o homem deve aproveitar mais com respeito spinoza para ele ser livre e fazer o que segue sobre a natureza do agente e que o homeme o tal no geral ser livre e ter capacidade para agir com vontade

    ResponderExcluir
  30. Maria Dirlane n 25 3 F28 de maio de 2010 14:40

    Liberdade para mim,acima de tudo tem que ser com responsabilidade,pois não adianta se ter a liberdade de agir,de pensar,se não estamos respeitando também a liberdade dos outros. e também temos que estar conscientes de que dependendo de nossas atitudes,ações,vamos obter como resultado consequencias,boas ou más.

    ResponderExcluir
  31. RAQUEL QUEIROZ DA SILVA 3º F Nº28
    respostas
    1- Para mim liberdade nao é so fazer o que quer mas sim ter o senso da responsabilidade de tomar suas proprias decisoes e rumos. ser livre é ser autônomo,
    é ser independente do mundo e de suas leis é ser independente da sociedade e de suas formas de viver.
    ser livre é ter conhecimento, atitude e garra.
    As vezes confundimos liberdade com vontade propria sem responsabilidade e sem pensar nas consequencias.
    resumindo para se ter liberdade é preciso ter conhecimento , responsabilidade e consciencia.

    2-
    Kant,
    Para ele liberdade é ser dono de si é ser autonomo é dar a si mesmo as regras a serem seguidas racionalmente. é reconhecer o livre arbítrio e segui-lo sem intervenções de outrem, pode fazer uso desta, porém o fará com maior clareza se seu conhecimento e consciência de sua liberdade existir.

    Marx
    Para ele o há liberdade sem o mundo material no qual os indivíduos manifestam na prática sua liberdade junto com outras pessoas, em que transformam suas circunstâncias objetivas de modo a criar o mundo objetivo de suas faculdades, sentidos e aptidões.

    ResponderExcluir
  32. Eduardo Cavalcante. N° 10 / 3°Ano F. José de Alencar.28 de maio de 2010 14:40

    Liebrdade para min é, quando um ser humano tem direito para poder expressar sua opinião, porque cada um tem opiniões diferentes, porque ninguem pensa igual a outro.Também liberdade é ser livre sem ter nenhum individuo para poder impdi-lo de suas ações. Para Spinoza liberdade é conseguir a sua meta , ter capacidade para agir. Para Kant é fazer suas próprias regras para poder seguir. Para Pecotche A liberdade é como o espaço, e que depende do ser humano que ela seja, também como ele, mais ampla ou mais estreita, vinculada ao controle dos próprios pensamentos e das atitudes.

    ResponderExcluir
  33. Maria Dirlane Martins Garcia. Nº 25 3º F30 de maio de 2010 18:06

    Professora Isabel,estou dando continuidade ao meu comentário,pois não deu tempo eu terminar na aula.

    Liberdade para mim,acima de tudo,tem que ser com responsabilidade,pois não adianta se ter a liberdade de agir,de pensar,se não estamos respeitando também a liberrdade dos outros. E também temos que estar consciêntes de que dependendo de nossas atitudes,ações,vamos obter como resultado,consequencias boas ou más.
    Descartes,disse que para termos liberdade,temos que estar informados pois dessa forma saberemos escolher as alternativas corretas,uma vez que são várias.
    kant foi o filósofo que criou a crítica da razão pura. Isso ma chamou atenção,pois ele explica que a liberdade que o homem deve aproveitar,diz respeito a vontade,mas para temos que ter consciência do estamos fazendo,utilizando o livre arbítrio de forma pura para que não dependa de nada com relação a lei.
    Pecotche falou que a liberdade é como um espaço,e que depende do ser humano que ela seja,ampla ou mais estreita,vinculada ao controle dos próprios pensamentos e atitudes.
    Schopenhauer disse que a razão humana não é absolutamente livre. Ele diz que todo agir humano depende sua vontade.

    ResponderExcluir
  34. Kaio César N°19 / 3°I / Noite1 de junho de 2010 19:22

    Para Leibniz, o agir humano é livre a despeito do princípio de causalidade que rege os objetos do mundo material.

    Para Schopenhauer, a ação humana não é, absolutamente, livre. Todo o agir humano, bem como todos os fenômenos da natureza, até mesmo suas leis, são níveis de objetivação da coisa-em-si kantiana que o filósofo identifica como sendo puramente Vontade.

    Para Jean-Paul Sartre, a liberdade é a condição ontológica do ser humano.

    Para Carlos Bernardo González Pecotche, a liberdade é prerrogativa natural do ser humano, já que nasce livre, embora não se dê conta até o momento em que sua consciência o faz experimentar a necessidade de exercê-la como único meio de realizar suas funções primordiais da vida e o objetivo que cada um deve atingir como ser racional e espiritual.

    Meu comentario : para mim , liberdade é ser livre , poder seguir suas vontades !!!

    ResponderExcluir
  35. francisco fabio da silva 3 I noite1 de junho de 2010 19:37

    Leibniz considerou a liberdade de indiferença impossível.
    Descartes a considerou o grau mais baixo da liberdade.
    Para Kant, ser livre é ser autônomo, isto, é dar a si mesmo as regras a serem seguidas racionalmente. Todos entendem, mas nenhum homem sabe explicar.
    Para Spinoza, ser livre é fazer o que segue necessariamente da natureza do agente.

    no meu conseito liberdade e toda forma que a pessoa tenha de espresar seus sentimentos não importa quais sejam eles

    ResponderExcluir
  36. Liliane N.Raulino 3 I noite1 de junho de 2010 19:41

    Kant,
    para ele é reconhecer o livre arbítrio e segui-lo sem intervenções de outrem, pode fazer uso desta, porém o fará com maior clareza se seu conhecimento e consciência de sua liberdade existir.

    Spinoza

    Para Spinoza, ser livre é a pessoa fazer tudo o que tem vontade, mas com muita responsabilidade.

    Schopenhauer

    para ele a ação humana não é, absolutamente, livre. Todo o agir humano, bem como todos os fenômenos da natureza, até mesmo suas leis, são níveis de objetivação da coisa-em-si kantiana que o filósofo identifica como sendo puramente Vontade.

    Marx

    Para ele o há liberdade sem o mundo material no qual os indivíduos manifestam na prática sua liberdade junto com outras pessoas, em que transformam suas circunstâncias objetivas de modo a criar o mundo objetivo de suas faculdades, sentidos e aptidões.

    Liberdade para mim é poder ir e vim para onde deseja poder ser dono de sua propria vida ter suas escolhas...

    ResponderExcluir
  37. Cristiane Magalhães nº 06 3º I1 de junho de 2010 19:45

    A Filosofia qualifica a independencia do ser humano os filosofos como Sartre e Schopenhaves disse que o humano não é absolutamente livre.
    Para Leibniz ele cosidera a liberdade de principio de qualidade indiferenca inpossivel.
    Para Kant ser livre e ter opinião propria, dar a si mesmo as regras a serem seguidas.

    Meu; liberdade é ser livre e ter suas propria vontades..

    ResponderExcluir
  38. Ricardo 3°I n°37 noite.1 de junho de 2010 19:52

    Bem ser livre p/ mim é fazer aquilo que vc desejar o q der e vier sem que ninguem possa lhe empatar mas como tudo na vida tem limite acho q ate ser livre tambem tem seus limites não vamos utrapassar as barreiras da nossa liberdade e vamos ser livres ate os nossos limites...

    ResponderExcluir
  39. Thiago Silva,n°41,3°i1 de junho de 2010 19:54

    oque é liberdade?
    liberdade pramin e ser independete,ter sua propria autonomia.mão depende de ninguem para fazer oque você quiser ser totalmente livre para fazer sua escolhas.

    para kant:ser livre é ser autônomo, isto, é dar a si mesmo as regras a serem seguidas racionalmente. Todos entendem, mas nenhum homem sabe explicar.

    Para Spinoza, ser livre é fazer o que segue necessariamente da natureza do agente.

    Para Carlos Bernardo González Pecotche, a liberdade é prerrogativa natural do ser humano, já que nasce livre.

    Para Jean-Paul Sartre, a liberdade é a condição ontológica do ser humano.

    ResponderExcluir
  40. Isabela Cristina N°15/ 3°I / noite1 de junho de 2010 19:56

    *Para Kant:É ser livre e dar as regras para si mesmo. De que a liberdade para o homem deve sí aproveitar.

    *Para Spinoza: Ser livre é fazer o que segue ,é necessario da natureza. A liberdade para ele é suscita a meta dos seus esforços e a sua própria realização. De que a liberdade também é a responsabilidade ato de ser livre de implica a se assumir.

    *Para Schopenhauer: A ação humana não é absolutamente livre. O homem é capaz de acessar sua realidade do duplo registro. O homem não escolhe o que deseja o que quer. A deliberação é uma ilusão ocorrida pela mesma conciência sobre os próprios desejos.

    *Para Pecotche: Para carlosa liberdade é prerrogativa natural do ser humano já que nasce livre em liberdade é como o espaço depende do ser humano vinculado ao controle próprios domínios de ser mas livre.

    ResponderExcluir
  41. Isabela Cristina N°15/ 3°I / noite1 de junho de 2010 19:59

    CONTINUAÇÃO DO MEU COMENTÁRIO:
    Liberdade é a ausência de submissão de uma servidão de uma determinada qualidade de independência do ser humano. Liberdade para mim é si sentir a vontade e livre e se tornar força-motriz, dono de si mesmo de querer fazer o que quer do seu bem entender. E ter com intervenção a sua vontade.

    ResponderExcluir
  42. Gerlano 'Lima 3*ano i1 de junho de 2010 20:01

    Kant,
    ser livre é ser autônomo, isto, é dar a si mesmo as regras a serem seguidas racionalmente. Todos entendem, mas nenhum homem sabe explicar.

    Sartre
    O homem é nada antes de definir-se como algo, e é absolutamente livre para definir-se, engajar-se, encerrar-se, esgotar a si mesmo.

    Pecotche
    já que nasce livre, embora não se dê conta até o momento em que sua consciência o faz experimentar a necessidade de exercê-la como único meio de realizar suas funções primordiais da vida e o objetivo que cada um deve atingir como ser racional e espiritual.
    Marx
    Para ele, não há liberdade sem o mundo material no qual os indivíduos manifestam na prática sua liberdade junto com outras pessoas.

    Minha opnião chapa (y)
    Liberdade , viver a vida de forma plena e saudavel (y)aproveitando os momentos felizes e aprendendo com erros (y)

    ResponderExcluir
  43. Mayara Magalhães - nº 30 - 3º Ano I1 de junho de 2010 20:02

    Liberdade é o direito que cada pessoa tem de resolver com quem falar, com quem andar, o que vestir, como agir, qual religião seguir, etc... Mas, precisamos saber ser libertos. Não deixe que o sua forma de LIBERDADE seja prejudicial à outras pessoas. Que nós possamos ser RESPONSÁVEIS!

    Diferente de muitos filósofos, eu acredito em DEUS e sei que sem ELE nós nada somos. Eu sou dependente d'Ele e não deixei de ser livre por servir a DEUS.

    Mas como o assunto aqui é filosofia, vou citar os pensamentos de alguns filósofos:


    * Para Kant, liberdade tem a ver com autonomia. Você escolhe o que deve fazer e você que cria as regras.

    * Para Pecotche , liberdade tem a ver com um espaço. você é quem escolhe o tamanho dele, se é largo ou se é estreito, a partir de seus pensamentos e atitudes.

    * Para Descartes, liberdade tem a ver com as decisões e suas escolhas. Quem compreende melhor as escolhas, terá mais liberdade.

    * Para Marx não há liberdade sem o mundo material.

    ResponderExcluir
  44. continuaçao de Ricardo 3°i n° 371 de junho de 2010 20:02

    Leibniz; conssiderou aliberdade de diferença impossivel.

    Kant; ser livre e ser autonômo, isto é dar si mesmo as regras a serem seguidas racionalmente.

    Spinoza;ser livre é fazer o q segue necessariamente da natureza do agente.

    Descartes; age com mais liberdade quem melhor comprende as alternativas em escolha.

    ResponderExcluir
  45. Maze Oliveira 3º I noite1 de junho de 2010 20:06

    Para Kante ser livre é ser autonomo, isto,é dar a se mesmo as regras.Concordo com ele pois mais que o individuo seja livre mais nunca si é totalmente.Para Spinoza ser livre é fazer o que seque necessariamente da natureza do agente, liberdade é ter responsabilidade de seus atos é ter capacidade para agir, com a intervençâo da vontade. è verdade temos que ter nção da nossa liberdade.para Leibniz o conceito de ser livre é a despeito do princípio de causalidade que reje os objetos do mundo material.Concordo com ele, pois para muitas pessoas é isso mesmo.I para Sartre a liberdade é a condição antológica do ser humano o homem é antes de tudo livre. É verdade que pena que eles não sabem sobre isso.

    ResponderExcluir
  46. Renato Paulo n°36 3° 'I'1 de junho de 2010 20:06

    Devemos compreender as alternativas para melhor compreender, entender o que realmente significa 'A liberdade'. o querer ser livre torna-se a força-motriz e, paradpxalmente, o instrumento para a liberdade do homem. O homem é, antes de tudo livre.

    Descartes: afirma que devemos compreender as melhores alternativas para escolhe, como mais claramente uma alternativa, mais facilmente é tal escolha.

    Kant: ser livre é ser autônomo, dar-si as regras a serem seguidas racionalmente. Todos entendem mas nehum homem sabe explicar.

    Spinoza: a liberdade suscita ao homem o poder de se exprimir como tal, meta de seus esforços e realizações.

    Sartre: a liberdade é a condição ontologica do ser humano. O homem é livre.

    ResponderExcluir
  47. Andreia Pereira .3º ano i Turma:noite1 de junho de 2010 20:10

    Pecotche-é liberdade de prerrogativa natural do ser humano ele contem sua própria vontade.Já kant é ser livre altônomo dar a si mesmo regras a serem seguidas racionalmente e deveres pelo homem em qualquer que seja sua regra.Leibniz falaque o agir humano é livre ,despeito do princípioque rege os objetos do mundo amterial ,espontânea eefletida.Jean Paul diz que a condição antólogica de tudo livre ,mesmo como dos objetos do mundo.Na minha opini nhão liberdade é agir com naturalidade de si mesmo.

    ResponderExcluir
  48. Maria José Rocha n°26 3° I noite1 de junho de 2010 20:12

    para satre ele busca atribuir essa qualidade ao ser humano livre.
    LEIBNIZ considerou aliberdade de indiferença quer dizer todos nos merecemos ser diferente e ter nossas proprias escolhas.
    DESCARTEZ age com mais liberdade total e para quem melhor compreende as alturas as suas alternativas em escolhas. ou seja para todos aqueles que tem e forma suas proprias opinioes.
    para KANTE ser livre é ser altonõmo,isto édar a si mesmo as regras a serem seguidas racionalmente, quer dizer,realizar tal coisas sem ultrapassar limites,estando sempre na medida do possível.
    SPINOSA siguinifica que liberdade é seguir nessessáriamente a natureza,ou seja,deixar os impulsus agir naturalmente.
    LIBNIZ o agir humano é livre a despeito a causalidade que rege os objetos do mundo material.

    ResponderExcluir
  49. Rosália de Lima 3° I Noite nº 391 de junho de 2010 20:13

    Rosália de lima Monteiro n:39 Turno:Noite 3º:I

    filosofos como Sartre e schopenhauer buscam em seus escritos atribuir está qualidade ao ser humano livre. a liberdafe e vontade que e o querer em ser livre e na equação em tornar-se a força motriz e paradoxalmente o instrumento para a libertação do homem....

    Leibinez considerou a liberdade inpocivel.
    Descartes considerou um grau mais baixo de liberdade.

    Eu já tenho outro tipo de opinião, ser livre é poder comversar, brincar, se divertir com amigos e parentes é alem de tudo ser feliz da nossa maneira do nosso jeitinho Brasileiro.

    ResponderExcluir
  50. Ana Maria 3° I noite nº031 de junho de 2010 20:15

    para sartre e schopenhauer buscam em seus escritos atribuir esta qualidade ao ser humano livre ser livre torna-se a força-motriz e paradoxalmente instromento para a liberaçao...

    ResponderExcluir
  51. Ana Paula 3º I noite nº041 de junho de 2010 20:21

    Ana Paula 3ºI n°4 noite.disse...
    Ser livre p/mim é poder fazer tudo o que quizermos desde que seja com responsabilidade e respeitando a opinião de cada um.Para Descartes agir com liberdade é ter alternativas de escolhas.Kant a liberdade é feita de regras.Leibniz ser livre é fazer aquilo que queremos a calsalidade é um ato livre.Spinoza o ser humano é livre pelos seus próprios esforços e suas próprias realisaçoes o tornam livre.

    ResponderExcluir
  52. Raissa Mara Henrique Silva N° 34
    3° Ano I Noite

    Para Descartes, ele acha que as pessoas precisam ter mais conhecimente obter mais informações para poder ver as alternativas que vão lhe aparecer e poder entender com mais claresa e escolher a que vai ser melhor pra vc.

    Para Spinoza, liberdade é poder fazer suas escolhar com responsabilidade pois não importa a escolha que faça você sempre vera uma consequencia por isso teremos que fazer nossas escolhas com responsabilidade para que não tenhamos consequencia negativa e sim positivas.


    Pecotche: ele diz que todos os seres humanos nascem livres embora no inicio ele não tenha essa consciencia mas é por pouco tempo (kkkkk..) logo, logo ja esta usando essa liberdade.Para Pecotche todos nós somos livres mas nossa libertade é como um espaço pode ser estreito ou amplo isso depende das nossas atitudes, dos nossos pensamentos enfim so depende do ser humano para ser livres ou não.

    Guy Debord o pensamento dele sob liberdade é que não somos livres nossas própria escolhas ja são escolhas feitas por outras pessoas pré-determinas pelos os outros e se temos a liberdade de trabalhar não somos livres pois no trabalho temos à hierarquia de administradores e às exigências de lucro impostas pelo mercado , a nossa sociedades da mercadoria faz da passividade (escolher, consumir) para ele é uma liberdade ilusoria mas que devemos buscar a todo custo pois somos ser humanos não livres.


    No meu conceito quando nascemos somos livres mais não temos proporção do que é isso e pra que possamos ser livres temos que adquirir conhecimento para sabermos e entedermos essa liberdades precisamos ser infomados para que possamos fazer as melhores escolhas pois todas as nossa escolhas vão ter uma concequencia e para que seja uma boa temos que estar preparado e ver com claresa cada uma que vão aparecer durante toda a nossa vida.
    Liberdade é algo que se tem mais que temos que conquista cada dia mais para que possamos ser cada vez mais livres e responsaiveis liberdade sem responsabilidades não existe.

    Ser liver é ter conciencia de seus atos.

    ResponderExcluir
  53. Janiere Mara 16 3 I Noite3 de junho de 2010 10:59

    SPINOZA,para spinoza ser livre é fazer o que segue da natureza do agente e da meta de seus esforços sua própria realização.

    LEIBNIZ,para leibniz o agir humano é livre a despeito do principio de causalidade que rege os objetos do mundo matérial,e que o homem pode conhecer os motivos pelos quais agem no mundo.

    SARTRE,para sartre a liberdade é a condição antológica do ser humano,muitas vezes mentindo para sí mesmo atráves de condutas e ideologias que sentem da própria responsabilidade.

    KARL MARX,entende a liberdade como a constante criação praticada pelos individuos de circunstâncias objetivas nas quais despontam seus sentidos e aptidões como;artisticas sensoriais e teóricas.

    EU,na minha opinião liberdade significa o direito de ir e vir autonômo e espontâneo,e de você poder e querer ser independente, isso.

    ResponderExcluir