domingo, 30 de maio de 2010

A seleção brasileira é uma tragédia






Por que um torcedor desejaria que toda a atual Seleção Brasileira de futebol afundasse no mar antes de chegar à África do Sul, enquanto outro deposita nela seus mais sinceros sentimentos patrióticos? Por que uns consideram a atual seleção um catado de pernas de pau, enquanto as demais seleções do torneio a consideram a mais simpática entre todas e a favorita a ser batida?
Se procurarmos nas quatro linhas do gramado as razões para esses e outros enigmas insondáveis, relacionados ao amor bandido que o brasileiro e a brasileira – cada vez mais – professam pelo futebol, acrescentaremos mais “por ques” aos já existentes, sem jamais nos aproximarmos de um único “porquê”, escrito junto, por mais mixuruca que ele se afigure.
Quando Fiori Gigliotti, o legendário locutor de rádio, gritava em tom dramático “Abrem-se as cortinas e começa o espetáculo, torcida brasileira”, não estava empregando uma metáfora gratuita. Muito pelo contrário, punha em cada oscilação de suas cordas vocais – não por acaso acentuadamente roucas ao longo dos anos – a carga simbólica exata que pesa sobre a nossa mais característica tragédia popular: a partida de futebol.
O famoso radialista tinha a clara noção de que, para o torcedor, o seu time, a sua seleção, o jogo jogado com os pés, extrapolavam o simples, neutro, ascético juízo desapaixonado: encarnavam o drama em sua modalidade mais radical, a tragédia.
Já disseram que sem a tragédia, os gregos teriam ficado loucos, pois nas encenações trágicas, em estádios lotados, eles projetariam todas as suas desgraças que, purgadas pela descida ao pior dos mundos e pela ascensão graças à força de vontade individual e coletiva, representada no herói ou em um deus ex machina, que intervém miraculosamente, se converteriam – as desgraças – em energias portentosas de superação e de transformação da vida para além das paredes dos ginásios.
Fiori Gigliotti inteligentemente soube que o futebol é a tragédia brasileira, no sentido empregado pelos gregos. Por isso impregnava suas locuções de termos e expressões literárias e teatrais. Aqui, nem se pode chamar de empréstimo esse recurso de linguagem, uma vez que o locutor extremamente sagaz se esmerava em devolver ao povo aquilo que nossas elites cruéis lhe roubaram: o direito ao teatro.
Uma das funções da tragédia clássica, para muitos estudiosos na verdade a função principal, era a de restabelecer o equilíbrio das tensões sociais por meio da descarga delas nas encenações. Sob esse aspecto, era elemento de saúde emocional pública.
Os gregos, interessados em construir uma vida urbana minimamente equilibrada – em que pesem os muitos escravos e servos que mantinham – observaram que os agrupamentos sociais acumulam dissensões internas, mágoas individuais e coletivas e ressentimentos que, se não forem resolvidos no plano simbólico, o serão no plano prático das agressões físicas e, no limite, da guerra.
Ou seja, ou nos purgamos simbolicamente na tragédia, ou ficamos loucos e nos aniquilamos. Aliás, no caso da tragédia grega, quando o corpo teatral não correspondia às expectativas do público-torcedor da época, corria o risco de ser agredido, e são mesmo conhecidos casos de atores simplesmente mortos após um mal espetáculo.
Mirando-se e projetando suas dores e esperanças nos espetáculos trágicos, os gregos foram aperfeiçoando suas instituições, que constituíram a base da cultura ocidental.
O futebol é para nós, brasileiros, a nossa tragédia. A seleção, o corpo teatral magno dela.

Se não se chegou aqui aos extremos de se assassinar um jogador após um resultado aziago em Copa do Mundo, na Colômbia, sim. No que tange aos clubes, todos conhecem os riscos e na várzea é comum entreveros terminarem na delegacia, no hospital ou no necrotério. Aqui, me eximo de apresentar exemplos, pois a notoriedade da situação permite.

Se os gregos ficariam loucos caso não tivessem desenvolvido a tragédia como válvula de escape para tensões sociais – em uma sociedade infinitamente menos complexa, como a da época –, que dizer dos brasileiros e das brasileiras – cada vez mais –, que todo dia, quando viram a chave na fechadura de sua casa para ir ao trabalho não sabem se voltarão à noite ainda com o emprego que lhes garante a existência e a de sua família? Que tensão mais dramática do que essa?

Diante dos televisores, os brasileiros assistem ao STF: libertar corruptos para que fujam, como no caso de Salvatore Cacciola; soltar criminosos, como Daniel Dantas, e prender agentes da lei dignos, como o delegado Protógenes Queiroz; e inocentar torturadores, como no caso do lamentável voto de Eros Grau seguido por seus pares faltos de coragem. Não seria o caso de ficar louco?

Se não fosse o futebol e nosso corpo magno de atores, os convocados da Seleção Brasileira, com certeza, nossas frustrações iriam às vias de fato. Sem o nosso clube do coração, sem a nossa amada e odiada Seleção, com seus técnicos nunca aprovados 100%, o que só confere mais drama ao drama, só restaria aos brasileiros e às brasileira a saída proposta por Lampião e Maria Bonita: o cangaço.

Após uma partida dramática, como a que acaba de classificar o Internacional de Porto Alegre contra o Estudiantes, para a próxima fase da Libertadores da América, o torcedor que assistiu à bola colorada entrar no gol argentino – em meio à fumaça atirada pelos torcedores rivais para prejudicar o ataque o Inter – sente que a vida pode ser mudada, porque o drama em que ele se espelha pode se inverter de lado, de um momento para o outro.

O futebol e a nossa Seleção constituem, nesse sentido, a nossa tragédia: o Internacional estava no fundo do poço, porém um jogador, que na entrevista após o espetáculo disse sequer ter visto o goleiro adversário em meio à fumaça, apareceu dela e, como um deus ex machina, detonou a catarse gaúcha que, como todos assistiram, atravessou o tango argentino – outro tipo de drama não menos trágico, que não descarta a pancadaria.

O torcedor e a torcedora brasileira projetam no futebol e em nossa Seleção seus sonhos e suas frustrações, e esse espetáculo devolve a eles soluções inusitadas, que podem inspirar ações na vida real. O mesmo trabalhador que fecha a porta de sua casa para ir ao trabalho com a angústia de não saber se voltará à noite ainda empregado, intui que, como no jogo do Inter, a sorte pode mudar de lado, desde que haja luta, persistência, garra e vontade até o último minuto: um belo dia, a chave, ao ser virada, pode desempregar os patrões.

O futebol e a nossa seleção são a nossa tragédia. Mas isso é bom.

18 comentários:

  1. Gerlano'Lima (y)1 de junho de 2010 20:07

    eI CHAPA (Y)
    Brasil é Brasil , não importa os jogadores,
    pode ser qualquer jogado , atraz da amarelinha , A parada muda o respeito é maior o negoçiio pega fogoo..

    ResponderExcluir
  2. Mariane Brito n:29 1M Noite1 de junho de 2010 20:40

    Eu entendir que o torcedor e a torcedora brasileira projetam no futebol e em nossa Seleção seus sonhos e suas frustrações, e esse espetáculo devolve a eles soluções inusitadas, que podem inspirar ações na vida real. O mesmo trabalhador que fecha a porta de sua casa para ir ao trabalho com a angústia de não saber se voltará à noite ainda empregado, intui que, como no jogo do Inter, a sorte pode mudar de lado, desde que haja luta, persistência, garra e vontade até o último minuto: um belo dia, a chave, ao ser virada, pode desempregar os patrões.

    ResponderExcluir
  3. tarcyana de freitas 1ano m noite n;351 de junho de 2010 20:44

    Eu entendir que o futebol e a nossa Seleção constituem, nesse sentido, a nossa tragédia: o Internacional estava no fundo do poço, porém um jogador, que na entrevista após o espetáculo disse sequer ter visto o goleiro adversário em meio à fumaça, apareceu dela e, como um deus ex machina, detonou a catarse gaúcha que, como todos assistiram, atravessou o tango argentino – outro tipo de drama não menos trágico, que não descarta a pancadaria.

    ResponderExcluir
  4. FLAUDIANO N 10 TURMA 1 M NOITE1 de junho de 2010 20:52

    eu acho que as pessoas estão criticando a seleção brasileira não pelo profissionalismo do jogador mais sim pela fama que ele contruio ao decorrer dos anos.
    Mais quem somos nos para criticar a queles que carregam nas costas o nome e a raça do nosso pais que e um dos mais valorisados no utebol do mundo.

    ResponderExcluir
  5. EDUARDO DE SOUSA N*051 de junho de 2010 20:54

    OS Torcedores sempre foram enganado quando envendaro O furtebol.O Furtebol e um modo de enverditores ganha dinhero sem semeger, mais os torcedores sabem que e roubado mais não emporda. OS Torcedores só que der a
    emoção de torce para seu time ou seleção


    SOU UM TORCEDOR BESDA!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  6. Luciano Pinheiro n°25 1°noite1 de junho de 2010 20:55

    O torcedor e a torcedora brasileira projetam no futebol e em nossa Seleção seus sonhos e suas frustrações, e esse espetáculo devolve a eles soluções inusitadas, que podem inspirar ações na vida real. O mesmo trabalhador que fecha a porta de sua casa para ir ao trabalho com a angústia de não saber se voltará à noite ainda empregado, intui que, como no jogo do Inter, a sorte pode mudar de lado, desde que haja luta, persistência, garra e vontade até o último minuto: um belo dia, a chave, ao ser virada, pode desempregar os patrões.

    ResponderExcluir
  7. maria islania santos1 de junho de 2010 20:57

    o futibol faz parti da vida de todos os brasileiro quem não fica feliz de ver o o seu timi de coração na libertadores da america...sendo campeão a maioria da populaçao não ficou muito feliz com acomvocação do nosso dunga eu por exenplo não gostei muito;mais vamos torcer porqe a nossa seleção tem tudo pra fazer a copa do século pessoas vão sair do trabahlo mais cedo somenti para assistir os jogos.o brasil esta em comtage regressiva.vamus lá brasil trzer mais um titulo...

    ResponderExcluir
  8. eu acho que as pessoas estao descepisonada com a seleçao passada com a falta de dessepenho dos jogadores e todo o povo brasileiro espera que nessa selecao os jogadores venhan se dar mais e representar o povo brasileiro por que todos os brasileiro quer ver o BRASIL saia da selecao brasileira vencedor mais espero que ele perca pra quebrar a cara pois muitos jogadores nao merecem estar na selecao brasileira

    ResponderExcluir
  9. katiana Nº4 1º M NOITE1 de junho de 2010 21:01

    Por que uns consideram a atual seleção um catado de pernas de pau, enquanto as demais seleções do torneio a consideram a mais simpática entre todas e a favorita a ser batida?
    Porque todas as tragédia, os gregos teriam ficado loucos, pois nas encenações trágicas, em estádios lotados, eles projetariam todas as suas desgraças que, purgadas pela descida ao pior dos mundos e pela ascensão graças à força de vontade individual e coletiva!

    ResponderExcluir
  10. MARIA CARLITA n,39 1M1 de junho de 2010 21:05

    A liberdade, está para cada um de nós, como a maneira de como vivemos, de como aceitamos leis impostas pelo estado. A liberdade não é só liberdade de ir e vir, é de liberdade de se expressar, de escolher, de opina r e de muitas outras coisas, um exemplo de libardade foi o q conseguimos na decada de 80, com o fim da Ditadura Militar e o poder de voto. Cada um de nós, coseguimos a liberdade de que nos convém, um exemplo são os criminosos que não souberam aproveitar sua liberdade e fizeram as besteriras q fizeram.

    ResponderExcluir
  11. BEATRIZ DA SILVA N°1 NOITE 1ºM1 de junho de 2010 21:18

    ALIÁS NO CASO DA TRAGÉDIA GREGA,QUANDO O CORPO TEATRAL NÃO CORRESPONDIA ÁS EXPECTATIVAS DO PÚBLICO-TORCEDOR DA ÉPOCA, CORRIA O RISCO DE SER AGRÉDIDO,E SÃO MESMO CONHECIDO CASOS DE ATORES SIMPLESMENTE MORTOS APÓS UM MAL ESPÉTACULO.
    É UMA TRÁGEDIA PORQUE ELES SÓ FAZ CRÍTICA COM AS PESSOAS E ISSO NÃO E BOM NÓS SER MALTRATADOS PELAS PESSOA DO FUTEBOL.........

    ResponderExcluir
  12. Jucia 1°m noite n° 211 de junho de 2010 21:18

    EU,nao entendo bem difutibol mais taben nao acho que cheja uma tragredia. porque e muita pressao ensima dessas pessoas.EU tamben acho que nem um jogador seja uma tragredia porque si eles fosse tudo isso eles nao estaria mus representando ma copa do mundo itaben nao teria ghanado por 5 ves. Essa e aminha opiniao.

    ResponderExcluir
  13. Maicon Douglas 1m noite n;271 de junho de 2010 21:20

    Eu entedi que se não fosse o futebol e nosso corpo magno de atores, e os convocados da Seleção Brasileira com certeza nossas frustações, iriam ás vias de fato.
    O torcedor e a torcedora Brasileira protejam o futebol e em nossa Seleção seus sonhos e suas frutações e esse espetaculo devolve a eles soluções inusitadas.
    Mas a Seleção Brasileira não tem que afundar não.

    ResponderExcluir
  14. Será que nós brasileiros ja paramos para refletir sobre o dinheiro que a fifa ganha com a copa?
    E sera que ja paramos para refletir quantos de nós brasileiros poderiamos ir asistir um dos jogos na africa? enquanto nós nus preocuparmos com a copa nossos politicos estão decidindo com o que eles vam gastar o nosso dinheiro e o que eles podem usar contra nós acho que nos brasileiro temos que dar menos importancia para a copa e dar mais valor para a educação das nossas criança e com o nosso mercado de trabalho.

    ResponderExcluir
  15. HERSON N°18 1°M ,NOITE1 de junho de 2010 21:21

    NO meu conhecimento quem somos nós para criticar O BRAZIL
    EU desejo que a nacão brasileira tenha respeito pela pátria e amar o BRAZIL muitos criticam o brasil edizem que e um time mixuruca euma carga simbolica extrema que pesar sobre anossa caracteristica se não existisse lanpião e maria bonita não existiria a jogada que e ofutebol brasileiro sabemos que vamos ganhar essa copá com toda garra e com muita competencia.

    ResponderExcluir
  16. Uiara Mesquita Aciole 1°M Turno:Noite N°361 de junho de 2010 21:22

    A Seleção Brasileira de futebol não tem que afundar no mar antes de chegar à África do Sul!
    Mais os políticos sim! pois a única coisa que eles fazem é roubar o dinheiro das pessoas .
    Em quanto poderia esta melhorando na educação na saúde e nas manutenção de ruas e de estrada.
    Mais com o dinheiro dos jogadores poderiam paga as metades das dividas de todos os baileiros!

    Mais como uma torcedora fiel quero que o Brasil ganhe!



    Observação: Brasil não se venda nesta copa!
    Ass: Uiara Mesquita Aciole N°36 Turma 1° M

    ResponderExcluir
  17. joel henrique 1°M n°201 de junho de 2010 21:26

    Eu acho que não podemos criticar, mas ajudar. Porque atraves da nossa ajuda o Brasil pode ganhar. A paixão é tão grande pelo Brasil, que por mais que ele perca nós continuamos sendo Brasileiros.

    ResponderExcluir
  18. EULALIA DOMINGO 1 ANO M NOITE N 09 DISSE
    EU ENTENDIR GUE A SELEÇÃO CONSTITUEM PARA A NOSSA VITORIA POREM O JOGADOR ESTEGAEMGUAPAIS DE PATISIPA A PATIDA

    ResponderExcluir